Tamanho do texto

Estudo japonês mostrou que cérebro fica mais esperto quando as pessoas se alimentam de sorvete logo pela manhã; chocolate é outro produto chave

A sobremesa escolhida foi um delicioso sorvete de baunilha
Divulgação
A sobremesa escolhida foi um delicioso sorvete de baunilha

Um estudo liderado pelo japonês Yoshihiko Koga, da Universidade Kyorin de Tóquio, relatou que tomar sorvete no desjejum torna as pessoas "mais inteligentes". As informações são da Agência Ansa.

VEJA AINDA:  Francês encontra fortuna em ouro escondida nos móveis de sua casa

De acordo com as pesquisas, as funções do cérebro ficaram mais rápidas e desenvolvidas nas pessoas que tomaram sorvete no café da manhã.

Para o estudo, os especialistas japoneses confrontaram os efeitos cerebrais de um grupo que comeu três colheradas de sorvete como a primeira refeição do dia e de outro que fez o desjejum com outros alimentos.

Todos os participantes da pesquisa se submeteram a testes digitais após o café da manhã. Os que tomaram sorteve se demonstraram mais espertos, proativos e velozes para completar os testes.

E, para comprovar que os efeitos não eram simplesmente causados pelo fato de "tomar algo gelado" de manhã (e provocar um efeito de despertar), os testes foram feitos novamente, mas trocando o sorvete por água gelada. Os resultados dos cobaias que tomaram água até tiveram algum desempenho melhor, mas não alcançaram os níveis daqueles que se alimentaram com o sorvete.

As conclusões do professor psicofisiologista Koga, que estuda a interação da psique com o corpo físico, mostram que o nível das ondas alfas do cérebro aumentaram consideravelmente. Essas ondas são responsáveis pela concentração e organização cerebral.

Além de sorvete, chocolate 

Outra delícia que pode fazer bem ao cérebro e estimular o seu funcionamento é o chocolate. Em um estudo publicado no início do ano, envolvendo cerca de mil pessoas, f oi descoberta a ligação entre comer chocolate - não importando o tipo - pelo menos uma vez por semana e uma melhora na memória e raciocínio abstrato .

Há razões para otimismo, mas a pesquisa não apontou categoricamente se comer chocolate foi a causa da melhora.

Em outra pesquisa recente, descobriu-se que uma substância química encontrada no cacau e no chocolate reduz a perda de memória relacionada à idade em adultos de 50 e 69 anos.

O estudo apontou que o antioxidante flavonol (uma classe de flavonoides) aumenta o fluxo sanguíneo para uma região do cérebro que promove a memória. Cientistas estão animados com a descoberta, pois é o primeiro indicador de que a dieta pode reverter o declínio na memória e também reduzir a perda da memória.

Após consumir bebidas enriquecidas com flavonois por três meses, o desempenho das pessoas neste grupo de idade em um teste de memória foi equivalente ao desempenho de pessoas décadas mais jovens.

No entanto, apenas comer mais chocolate não vai proteger a memória, pois métodos usados para processar o chocolate costumam remover a maior parte dos flavonois.

Uma barra de chocolate típica tem 40 mg destes flavonois, e a bebida usada na pesquisa continha 900 mg. Logo, seria necessário comer quantidades enormes de chocolate para obter algum benefício considerável.

LEIA TAMBÉM:  "Pacote completo": mulher acha aranha e milhares de filhotes em caixa de correio

Se cruzarmos os resultados de ambas as pesquisas, talvez seja possível concluir que sorvete de chocolate pela manhã é uma dica de mestre para um cérebro "mais potente". Sem dúvida, não faltarão crianças interessadas em praticar o experimento. Mas – por enquanto –  ainda não é possível confirmar tal conclusão cientificamente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.