Tamanho do texto

De acordo com a Agência Espacial Americana, as camadas de pó seriam partículas desprendidas de cometas

Camadas permanentes de pó detectadas por sonda em volta da Lua seriam resultado de partículas desprendidas de cometas que se chocaram contra a superfície. 

A Lua está permanentemente rodeada por uma enorme camada de pó, de acordo com dados recolhidos por uma sonda enviada ao satélite natural terrestre em 2013 pela Agência Espacial Americana (Nasa).

Leia mais:

Astrônomos descobrem misteriosa névoa de 200 quilômetros de altura em Marte

Sonda espacial desaparecida há 11 anos é localizada em Marte

Batizada de LADEE, em inglês, a sonda estudou, por seis meses, rajadas de partículas que podiam chegar a uma altitude de até 100 km. A missão terminou em abril de 2014, quando a sonda se espatifou no solo lunar.

A poeira lunar foi analisada pela sona LADEE
Nasa
A poeira lunar foi analisada pela sona LADEE

"Bombardeio"

Os dados foram analisados recentemente por uma equipe de cientistas da Universidade do Colorado, nos EUA. E, em um artigo publicado na revista científica Nature, os especialistas afirmam que a nuvem seria uma "poluição" causada por cometas: partículas deixadas por corpos celestes passando pela Lua atingem o solo, pulverizando-se e elevando-se no céu lunar.

Segundo a equipe de cientistas da Universidade do Colorado, a camada fica mais grossa todas as vezes em que a Lua e a Terra passam pelas partículas deixadas por cometas.

Partículas liberadas por cometas
Reprodução
Partículas liberadas por cometas "castigam" a superfície lunar

Segundo o coordenador do estudo, Mihaly Horanyi, a Terra é bombardeada diariamente por pelo menos 100 toneladas de detritos cósmicos, mas é protegida pela atmosfera, que desintegra grande parte deles. Na Lua, o volume diário é de cinco toneladas, mas porque o satélite não tem atmosfera as partículas se chocam diretamente com o solo, criando a nuvem.

A camada de pó intrigou os cientistas por conta de seu formato irregular: ela é mais densa em um lado da Lua, mais atingido pelas partículas.

Este tipo de formação tinha sido detectado pela Nasa nas luas de gelo de Júpiter, visitadas pela sonda Galileo na segunda metade da década de 90. Mas os cientistas tinham dúvidas se a lua terrestre, de formação rochosa, passaria pelo mesmo fenômeno. Esse foi um dos motivos por trás do projeto LADEE.

Cientistas acreditam que vários outros corpos celestes no sistema solar, de asteroides a luas em outros planetas, também tenham nuvens de poeira.

Zoltan Sternovsky, cientista também envolvido no projeto, acredita que futuras missões espaciais poderão estudar esses corpos celestes sem a necessidade de pousar neles.

"Você pode analisar essas partículas para estudar a composição dos corpos", afirma.

Cientistas veem vantagens no estudo das nuvens de poeira
Reprodução
Cientistas veem vantagens no estudo das nuvens de poeira


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.