Tamanho do texto

Segundo o capitão da PM, a Guarda Civil metropolitana de Osasco é responsável pela ação de remoção das famílias

A reintegração de posse em um terreno na cidade de Osasco, grande São Paulo, teve confronto entre a Polícia Militar e moradores na manhã de hoje (11). Foram registrados três focos de incêndio nas entradas da ocupação, feitos com barricadas e um carro. O Corpo de Bombeiros foi acionado e já apagou as chamas. Por volta das 10h, a situação ainda era tensa e ouvia-se sons de disparos vindos do alto do morro.

Segundo o capitão da Polícia Militar Márcio Agamenon, a Guarda Civil metropolitana de Osasco é responsável pela ação de remoção das famílias, já que o terreno é de propriedade da prefeitura. "É uma operação de retirada de pessoas de área de risco. Foi [feito um] levantamento e esse local pode ter risco para as pessoas, ainda mais porque é um período de muita chuva. A prefeitura resolveu retirá-las para resguardá-las", disse.

O morador Antônio Marcos Plínio, pedreiro de 29 anos, reclama que os cerca de 3 mil moradores da ocupação não foram avisados antecipadamente sobre a reintegração de posse. Ele conta que a ocupação é recente, existe há pouco mais de um ano. Plínio acrescentou que a prefeitura tem um projeto para transformar o espaço em um parque. O morador lamentou a remoção: "minha mulher está grávida e está com medo. Eu trabalho de pedreiro. Tem dia que tem serviço, tem dia que não tem e se for viver de aluguel, a gente não vive".