Tamanho do texto

Manifestantes se reúnem nesta quinta-feira para reivindicar melhorias no transporte público, como diminuição da tarifa para R$ 2,50 e ônibus 24h. Será o primeiro do ano em dia útil

São esperadas ao menos 12 mil pessoas no terceiro protesto de 2014 contra a realização da Copa do Mundo. A concentração do ato, organizado pelo Facebook, está marcada para esta quinta-feira (13), às 18h, no Largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo.

Cartaz colado no centro de São Paulo (SP)convoca para manifestação do grupo Não vai ter Copa
J. Duran Machfee/Futura Press
Cartaz colado no centro de São Paulo (SP)convoca para manifestação do grupo Não vai ter Copa


É o primeiro protesto do ano realizado em dia útil e horário de pico. Na tarde de terça-feira a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que não preparou esquema especial de monitoramento do trânsito na região. Os manifestantes não informaram qual o trajeto que a marcha deve seguir.

Segundo os organizadores, o protesto, desta vez, terá como tema principal o transporte público, o mesmo que motivou as grandes manifestações do ano passado.

“Nesse dia 13, quinta-feira, nos reuniremos pelo direito ao transporte 24 horas, redução da tarifa para R$ 2,50 e pela abertura da CPI [Comissão Parlamentar de Inquérito] do cartel nos transportes, alem de mais transparência na elaboração e divulgação das planilhas de custo -apresentadas pelas empresas de ônibus para justificar a tarifa subsidiada-, fiscalização mais rigorosa das empresas e novos critérios de licitação e contratação das empresas”, informou o grupo ao iG .

Este é o terceiro protesto contra a realização da Copa do Mundo no Brasil realizado em São Paulo neste ano.

Veja imagens do último protesto:

No primeiro ato, no dia 25 de janeiro, aniversário da cidade, policiais militares balearam o estoquista Fabrício Chaves, de 23 anos. Após levar dois tiros, Chaves ficou internado por 16 dias na Santa Casa de Misercórdia de São Paulo- cinco deles na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Além disso, houve depredação e 128 pessoas foram presas. 

Manifestante é baleado por PMs depois de protesto contra Copa no Brasil

'Ele ficou com medo e correu', diz irmão de jovem baleado em protesto de SP

A PM informou, na ocasião, que Chaves teria ameaçado policiais militares com estilete, que atiraram contra o jovem. Chaves disse, em depoimento, que só sacou o estilete após ser baleado. O caso está sendo investigado pelo 4º DP (Consolação) e pela corregedoria da corporação.

No segundo protesto contra a Copa, realizado no último dia 22, a Policia Militar usou, pela primeira vez, a chamada “Tropa do Braço”, grupo formado por 140 policiais militares não armados e treinados em artes marciais. Durante o protesto, que contou mais de 2.000 policiais e cerca de 1.500 manifestantes, a policia fez cercos e isolou os protestantes, impedindo que muitos deles prosseguissem a marcha. Pelo menos 230 pessoas- incluindo cinco jornalistas- foram levadas a quatro delegacias para “averiguação” e liberados após prestarem depoimento. Houve quebra-quebra e confrontos.

Vídeo : 'tropa do braço' se antecipa a black blocs e acaba com protesto em SP
Protesto contra Copa tem quebra-quebra e confronto com a polícia

Após a operação, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) considerou a ação da PM um sucesso, pois houve “menos confronto e menos violência”, disse ele, em entrevista coletiva.

Até o fechamento desta matéria, a PM não respondeu se vai manter a estratégia usada durante o último protesto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.