Tamanho do texto

Jornal Nacional exibiu na noite de quarta conversas interceptadas de cabo bombeiro Daciolo com deputada. Militar está preso

PMs e bombeiros estão concentrados na Cinelândia
Raphael Gomide
PMs e bombeiros estão concentrados na Cinelândia
Duas equipes de jornalistas da TV Globo e da Globo News foram hostilizadas por manifestantes durante a assembleia que decidirá sobre a realização da greve de policiais militares, civis e bombeiros, na noite desta quinta-feira (9), no centro do Rio de Janeiro. Os repórteres e cinegrafistas deixaram o local.

Leia também : Bope e Choque entrarão em prontidão caso greve se confirme no Rio

Desde o início da manifestação, os jornalistas identificados como sendo da TV Globo ouviram intimidações e recusas de entrevistas por integrantes do movimento, contrariados com reportagem do Jornal Nacional da útima quarta-feira (8) - que mostrou gravações do cabo bombeiro Benevenuto Daciolo conversando sobre a greve com a deputada estadual Janira Rocha (PSOL).

Leia também : Liberdade de bombeiro é condição de negociação para evitar greve no Rio

Daciolo foi preso às 22h30 de ontem, ao chegar de viagem da Bahia ao Rio. A liberdade do bombeiro se tornou um dos principais pontos dos manifestantes.

“Não vejam mais esse canal. É mentiroso!”, afirmou um policial, ao microfone.

Cartazes também criticavam o canal de TV. Durante a exibição do Jornal Nacional desta quinta, no Amarelinho, tradicional restaurante da Cinelândia, dezenas de manifestantes gritavam xingamentos e vaiavam quando apareceram no monitor os apresentadores William Bonner e Patrícia Poeta, o governador Sérgio Cabral, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, e a presidenta Dilma Rousseff. Era impossível ouvir o que diziam.

Leia também : Em caso de greve da polícia, Exército enviará 14 mil homens ao Rio

A única aplaudida ao aparecer foi a deputada Janira Rocha, que teve o nome gritado em coro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.