Tamanho do texto

Escola anima público com ¿estreia¿ de banheiro gay, com apoio da Prefeitura do Rio

A quadra da Unidos da Tijuca, atual campeã do carnaval do Rio, foi reinaugurada neste sábado (8) após uma reforma que custou R$ 1 milhão, segundo a agremiação. O dinheiro foi obtido com patrocinadores e por meio de atividades promovidas pela escola, como shows.

Situada no Santo Cristo, na zona portuária, a poucos metros da rodoviária do Rio, a quadra ganhou uma nova butique, camarotes mais amplos e até um clube do uísque, exclusivo para foliões dispostos a pagar R$ 200 só para se associar.

Mas na festa de reinauguração, na noite deste sábado (8), todos esses ambientes passaram praticamente despercebidos. A grande vedete da noite foi o banheiro LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais), destinado ao público gay. Não é fato inédito nas escolas de samba - a Viradouro foi a primeira a oferecer esse banheiro, ainda em 2006, e a Unidos de Vila Isabel também tem um -, mas a iniciativa gerou polêmica. Durante a semana passada, líderes gays criticaram a iniciativa, alegando que é uma forma de incentivar a discriminação.

Detalhe do banheiro LGBT, todo decorado
Agencia o Globo
Detalhe do banheiro LGBT, todo decorado
Para saber a opinião dos foliões, a direção da escola promoveu uma consulta: quem chegava à quadra era convidado a votar a favor ou contra o banheiro gay. A contagem dos votos só vai terminar neste domingo (9), mas, até o início da madrugada, mais de 90% dos consultados apoiou a iniciativa.

“Ninguém é obrigado a usar esse banheiro. Se a pessoa é gay, mas não quer assumir, pode usar outro. É como vagão para mulheres no metrô: elas não são obrigadas a usá-lo, podem embarcar em qualquer outro. Oferecer esse espaço é apenas uma gentileza da escola, e não aumenta a discriminação”, disse Beto Barros, um dos responsáveis pela criação, há cinco anos, da primeira ala gay da escola.

Alvo de tanta polêmica, o banheiro foi inaugurado com pompa e circunstância à 0h15 deste domingo. O secretário municipal de Turismo e presidente da Riotur, Antonio Pedro Figueira de Mello, o carnavalesco Milton Cunha e líderes gays participaram da cerimônia, comemorada com um rufar da bateria, fogos de artifício e um bolo colorido.

“A iniciativa é válida, é preciso respeitar todo mundo. Quem quiser usar deve ficar à vontade. O que não pode é fazer xixi na rua”, afirmou o secretário Antonio Pedro. Apesar da sua participação na festa, a administração pública não desembolsou dinheiro para a reforma da escola. "Nós temos projetos em andamento para melhorar outras quadras, como a da Imperatriz, reinaugurada recentemente, e a da Portela, mas aqui não investimos nada", disse o secretário.

Passista da escola com o secretário municipal de Turismo, Antonio Pedro Figueira de Mello, e o carnavalesco Milton Cunha
Agencia o Globo
Passista da escola com o secretário municipal de Turismo, Antonio Pedro Figueira de Mello, e o carnavalesco Milton Cunha
Na porta, o “famoso” banheiro tem dois bonequinhos discretos. A decoração interna se assemelha a de um banheiro feminino: azulejos cor de rosa e outros brancos com desenhos de bolsas e borboletas; espelho com borda decorada, bancos roxos e dois quadros com fotos de Carmem Miranda. Um mictório masculino de um lado, três vasos sanitários do outro, além de três pias, completam o ambiente, que não passa de 50 metros quadrados.

“Não tem cabimento ter preconceito. Se eu estiver apertado, vou usar esse mesmo”, contou o motoboy Arlindo Pereira, 27 anos, que afirmou ser heterossexual. “Mas tenho amigos gays e não vejo problema em que existam banheiros para esse público”, garantiu.

Integrantes da escola estão animados com o enredo
Divilgação
Integrantes da escola estão animados com o enredo "Esta noite levarei sua alma", para o desfile deste ano

Clube do uísque

Outra novidade inaugurada ontem foi o clube do uísque. Trata-se de um bar com ar-condicionado cujo ingresso é uma carteirinha de sócio. Para obtê-la, o interessado deve se cadastrar e pagar R$ 200. Lá dentro, o cliente pode escolher sua bebida e comprar uma garrafa. As bebidas mais caras são os uísques White Horse e William Lawson’s, a R$ 200 cada garrafa. Um Johnnie Walker Red Label sai por R$ 130 e o Black Label, por R$ 150. As bebidas mais baratas são vários vinhos, como Aldeão, Ajuda e Ducato Ouro Pro, a R$ 60 a garrafa.

A Unidos da Tijuca será a quarta escola a desfilar no domingo, 6 de março, e levará à Sapucaí o enredo “Esta Noite Levarei Sua Alma”, que discorre sobre a sensação de medo causada pelos filmes e foi desenvolvido pelo carnavalesco Paulo Barros.

Cadê a Rainha?

Adriane Galisteu, rainha de bateria da agremiação, não compareceu a mais um evento da escola. Sua presença era dada como certa por parte da diretoria. A insatisfação com sua ausência nos ensaios - ela não apareceu em nenhum nos últimos meses - já começa a provocar rumores de que a direção estaria pensando em substitui-la por uma passista da comunidade no cargo mais cobiçado da escola.

Procurada, Galisteu não foi encontrada para falar sobre sua permanência no cargo.