Tamanho do texto

Ato político foi organizado pelo movimento Ocupa Dops para marcar o Dia Internacional de Luta Contra a Tortura e contou com apresentações de música, homenagens e e filmes

O movimento Ocupa Dops promove um ato público  para marcar o Dia Internacional de Combate à Tortura
Tânia Rêgo/Agência Brasil
O movimento Ocupa Dops promove um ato público para marcar o Dia Internacional de Combate à Tortura

Um ato político neste sábado (27) em frente ao prédio do antigo Departamento de Ordem Política e Social (Dops) marcou o Dia Internacional de Luta Contra a Tortura. A data é lembrada todo dia 26. Os militantes reivindicaram a transformação do imóvel em um espaço de memória da resistência e não no futuro museu da Polícia Civil, finalidade para o qual está sendo reformado.

O prédio do Dops recebeu centenas de presos políticos desde sua construção, em 1910, para sediar a Repartição Central de Polícia. Mas foi durante a ditadura militar que ele se transformou em um dos principais aparelhos de repressão e tortura do regime, para onde eram levados presos políticos a fim de serem interrogados sobre as atividades na época classificadas de subversivas.

São Paulo:  Entidades de direitos humanos de SP fazem ato político-cultural contra tortura

PM flagrado atirando em suspeitos de roubo é colocado em liberdade

Com três passagens pelo Dops do Rio, a farmacêutica Ana Bursztyn Miranda traz até hoje as marcas deixadas pelas prisões que sofreu em decorrência da militância na Ação Libertadora Nacional (ALN).

“A tortura está acontecendo ainda hoje. E tem gente que defende a volta da ditadura militar, dizendo que eles torturavam e estavam certos. Então é preciso que se transforme este prédio em um espaço de memória, para ver se conseguimos diminuir a violência de Estado e para que o terror que imperou naquela época não volte a acontecer”, disse Ana.

Para ela, é inconciliável a ideia aceita pela Polícia Civil de ceder parte do prédio para o centro de memória, mantendo ali o seu museu. “Este prédio ficou abandonado por mais de uma década. É inconciliável [manter as duas estruturas]”, argumentou.

O ato político foi organizado pelo movimento Ocupa Dops e contou com apresentações de música, projeções de filmes, exposição de fotos, intervenções artísticas e depoimentos de amigos e familiares de presos políticos. Foi feita uma homenagem a duas militantes de esquerda vítimas de tortura durante a ditadura militar e que morreram este ano: Inês Etienne e Estrella Bohadana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.