Tamanho do texto

Carlos Jorge Calmon foi morto na frente da filha de 7 anos durante assalto; menor foi apreendido e confessou o crime

O assassinato do marinheiro Carlos Jorge Honorato Calmon, de 33 anos, na noite de domingo (14), no Centro de Niterói, deixou parentes e amigos da vítima em estado de choque. Um menor de 16 anos foi apreendido e confessou o crime. O corretor de imóveis Wellington Pinto, de 36 anos, lamentou na manhã desta segunda-feira (15), no Instituto Médico Legal (IML) que o amigo tenha sido mais uma vítima da violência.

Leia mais notícias no portal O Dia 

"Éramos amigos há cerca de 20 anos. Sempre moramos na mesma rua, na Ilha da Conceição. O Carlos era um cara trabalhador, gostava de viver. Estamos em estado de choque com essa notícia", diz.

Reconhecido pela esposa de Carlos Jorge, o adolescente confessou ter atirado na vítima
Fábio Gonçalves / Agência O Dia
Reconhecido pela esposa de Carlos Jorge, o adolescente confessou ter atirado na vítima

Pelas redes sociais, amigos também comentaram a trágica morte de Carlos Jorge: "Perdemos um grande amigo, pai de família e filho querido para essa vagabundagem maldita, de uma forma absurda e brutal", desabafa. "Meu Deus que coisa triste, que coisa horrível. Além de um ser humano, um cara tão bacana, que injustiça, meu Deus. Onde vamos parar com essa violência?", questionou outra amiga.

Alexandre Oliveira de Faria, de 52 anos, que passava de bicicleta pelo local presenciou toda a ação dos criminosos. Ele acredita que o aumento da violência em Niterói tem a ver com a pacificação de algumas comunidades do Rio de Janeiro.

"Moro no Centro há quase 20 anos e a cidade está cada vez mais violenta com a migração dos bandidos do Rio para Niterói. Nós que somos os verdadeiros prisioneiros, temos que ficar trancados dentro de casa", diz.

O poste em que o carro bateu ainda estava caído na Rua Marechal Deodoro nesta segunda-feira
Fábio Gonçalves / Agência O Dia
O poste em que o carro bateu ainda estava caído na Rua Marechal Deodoro nesta segunda-feira

Carlos Jorge foi morto durante um assalto no Centro, por volta das 21h30. Ele deixava um parque de diversão no local, ao lado da esposa e da filha de 7 anos, quando foi abordado por dois menores, de 16 e 17, moradores de Jardim Catarina, em São Gonçalo.

Leia também:

Acidente mata duas pessoas e deixa Fusca partido ao meio

Playboy pede para chefes de facções rivais pararem de trocar tiros de longe

"A vítima, ao sair do parque, foi até o carro e percebeu os dois suspeitos. Em seguida ele colocou a mulher e a filha no veículo, e na hora que ele arrancava com o carro, o menor de 16 anos disparou. Ele perdeu a direção e bateu no poste", disse o delegado-assistente da Divisão de Homicídios (DH) de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, Alan Duarte Lacerda.

O tiro que matou o marinheiro atingiu a costela. O adolescente de 16 anos, que efetuou o disparo, foi apreendido em flagrante logo depois por policiais militares no Terminal Rodoviário João Goulart. O menor foi reconhecido pela esposa da vítima e confessou o crime. A arma, um revólver calibre 38, está com o outro menor que segue foragido.

Carlos Jorge Honorato Calmon, morto durante assalto em Niterói, será sepultado nesta segunda
Reprodução/Facebook
Carlos Jorge Honorato Calmon, morto durante assalto em Niterói, será sepultado nesta segunda

O sepultamento de Carlos Jorge Honorato aconteceu às 16h30 desta segunda-feira, no Cemitério do Maruí.

Nos últimos três dias o município da Região Metropolitana vem registrando episódios violentos. O mais impactante aconteceu na sexta-feira, quando o taxista Marcio Antonio Mazzeto levou aproximadamente 15 golpes de faca no rosto durante tentativa de assalto. O caso aconteceu perto de um dos acessos ao Morro Juca Branco, no Fonseca. Ele segue internado no Hospital Azevedo Lima.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.