Tamanho do texto

Membros do grupo Mídia Ninja, que transmitem as manifestações pela internet, foram detidos no Rio

Agência Estado

Dois jornalistas do grupo Mídia Ninja (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação) que acompanhavam aos protestos em frente ao Palácio Guanabara, no Rio, foram detidos. Um deles estava em frente à 9.ª Delegacia de Polícia (Catete), apurando por que motivo o colega foi detido, quando foi abordado por um tenente. Ele disse que o jornalista era suspeito de incitar as manifestações e queria levá-lo para averiguações.

A confusão: Manifestantes são presos após confronto em frente ao Palácio Guanabara
Leia também: Saiba mais sobre a Jornada Mundial da Juventude
No 1º dia, papa quebra protocolo, fica preso no trânsito e fala em português

Mascarados próximo ao Palácio Guanabara, nesta segunda-feira, no Rio
AP
Mascarados próximo ao Palácio Guanabara, nesta segunda-feira, no Rio

Uma advogada interveio e o tenente chegou a dizer que o repórter não estava detido e que poderia sair da delegacia se quisesse. Logo em seguida, o policial recebeu uma ligação e anunciou a prisão do repórter. "O major Nunes mandou levar ele", afirmou. A detenção foi transmitida ao vivo. O telefone usado na transmissão foi apreendido. Em seguida, o policial anunciou: "Quem passar mensagem pelo celular será preso".

Tiro

O estudante de medicina Fellipe Camisão, de 24 anos, disse que atendeu um manifestante baleado na perna direita. "Ele estava com a namorada e foi baleado na perna. Não foi bala de borracha. Foi projétil de arma de fogo. Ele estava com hemorragia e estancamos o sangue. Nós estávamos correndo e depois que passamos pelo carro da polícia, ele percebeu que estava sangrando", disse Camisão. O ferido é farmacêutico e foi colocado em um táxi para buscar atendimento. A informação foi confirmada por um advogado do Grupo Habeas Corpus, da OAB, que tem acompanhado as manifestações.

Veja imagens do primeiro dia de visita do papa:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.