Tamanho do texto

Direitos de resposta concedidos pela Justiça contra frentes que pregam divisão do Pará tiram todo o tempo de propaganda delas

A concessão de direito de resposta ao governador Simão Jatene (PSDB) contra a frente do Sim tirou dos separatistas suas propagandas no penúltimo dia do horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão. A campanha em rádio e na televisão termina nesta quarta-feira (6).

Dê sua opinião: O que acha da divisão do Pará?

Os direitos de resposta foram concedidos pelo juiz eleitoral Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Ele tirou 20 minutos do horário do Sim no rádio e dez minutos na televisão. Até o momento, foram cumpridos dez minutos do direito de resposta no horário gratuito no rádio e cinco da televisão. Na noite desta terça-feira deve ser cumprido outros cinco minutos na televisão. O juiz também concedeu direito de resposta nas inserções do Sim fora do horário eleitoral. Desde segunda-feira à noite tem sido veiculadas mensagens de Jatene no espaço destinado aos separatistas.

O setor jurídico da campanha do Sim tenta reverter na Justiça Eleitoral a decisão do magistrado. Caso não consigam, as frentes pró Carajás e pró Tapajós também não terão direito à propaganda gratuita no rádio no último dia da campanha eletrônica. “O prejuízo é enorme. Na realidade, o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) desequilibrou o pleito”, disse o presidente da Frente da Comissão Pró-Carajás, João Salame (PPS).

A campanha:

- Campanha para o plebiscito no Pará entra na reta final

- Governador do Pará diz que plebiscito cria ressentimento e mágoa

- Movimento pede boicote a deputados que pregam divisão do Pará

- Tacacá e Belém são estrelas do início da campanha do plebiscito

- Receita dos municípios vira alvo de disputa em campanha

- Exército vai reforçar segurança durante plebiscito

Salame reclamou que a Justiça Eleitoral vem adotando critérios diferentes para conceder direitos de resposta. Recentemente, a Justiça Eleitoral negou pedido de resposta feito pelo senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) e pelo ex-senador Leomar Quintanilha (PMDB-TO) contra a propaganda do Não, após terem sido citados no comercial unionista. Nas inserções, a propaganda do Não citou os dois como políticos fora do Estado que estão interessados na divisão do Estado, mas que respondem a processos judiciais.

“Na decisão, o TRE afirmou que os dois não eram parte interessada. Mas o governador também não era parte interessada no processo. Estão utilizando dois pesos e duas medidas”, disse Salame. O iG não conseguiu contato com os juízes responsáveis pelas decisões para comentar o assunto.

No direito de resposta, o governador Simão Jatene tece várias críticas ao publicitário Duda Mendonça, afirmando que “vendedores de ilusões” não podem “destratar nossa gente como galos numa rinha”. A crítica foi uma referência a um dos hobbies de Mendonça: a participação em rinhas de galo. O publicitário foi preso em flagrante em 2004 após ser pego em uma rinha no Rio de Janeiro.

Plebiscito será realizado no próximo dia 11 de dezembro
Reprodução
Plebiscito será realizado no próximo dia 11 de dezembro

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.