Tamanho do texto

A votação do projeto que aumenta o salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) ganhou um aliado na Câmara. O líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO), mudou de posição e agora anunciou que pedirá urgência para o projeto.

Nas reuniões do colégio de líderes, Caiado sempre impediu a entrada do projeto na pauta. A aprovação do projeto que reajusta os salários do Supremo e, na esteira dele, o que aumenta o salário do procurador-geral da República, vai elevar os gastos públicos em pelo menos R$ 156.280.760 por ano.

O aumento dos salários provoca efeito cascata e beneficia toda a magistratura e a carreira do Ministério Público. Esse total considera o reajuste dos atuais R$ 24.500 para R$ 25.725, previsto para valer a partir de 1º de janeiro de 2007. Como o projeto aguarda votação desde 2006, a proposta em discussão agora aumenta esse o valor para R$ 27.716, o que repercutirá ainda mais nos cofres públicos.

"O governo está criando cargos, dando aumento, então vamos reajustar os salários de todos", argumentou Caiado. "Até então, existia um sentimento de que o governo estava passando por dificuldade de caixa com a crise que estava aí. Ele tem demonstrado nos últimos dias que não tem problema", disse Caiado. Ele afirmou ainda que o partido também vai defender a votação do projeto que dá reajuste para todas as aposentadorias da Previdência Social em igual valor do aumento do salário mínimo. O líder do DEM disse que essa decisão de acelerar as votações foi tomada em reunião da Executiva do partido. "Não há mais por que segurar".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.