Tamanho do texto

O ministro da Justiça, Tarso Genro, confirmou que o governo espera tirar de circulação pelo menos 300 mil armas de fogo até o final do ano convencendo os portadores a entregá-las com a campanha publicitária que começa neste domingo. Vamos entusiasmar as pessoas a participar de uma cultura de paz, afirmou hoje, ao final de uma solenidade em Viamão, na região metropolitana de Porto Alegre (RS).

As peças serão divulgadas em emissores de televisão e rádio, em cinemas, em jornais, em revistas, na internet e em paradas de ônibus para chamar a atenção da população sobre a relação direta do uso de armas com índices de violência. Segundo o governo, o custo da publicidade é de R$ 6 milhões. O orçamento da campanha prevê mais R$ 40 milhões para o pagamento de R$ 100 a R$ 300 por arma entregue pelos portadores. "Outras campanhas geraram redução de homicídios e essa também vai gerar, seguramente", acredita o ministro.

Árvores

O ministro da Justiça e o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, participaram do plantio de árvores nativas do Rio Grande do Sul num terreno do Hospital Colônia Itapuã, simbolizando a abertura do Programa de Neutralização e Redução das Emissões de Carbono Resultantes das Atividades da Polícia Federal.

O projeto prevê o plantio anual, em todo o País, de árvores em quantidade suficiente para seqüestrar o mesmo volume de gás carbônico gerado pelas atividades da PF. O cálculo é feito com base nos gastos de combustíveis, de papel, de energia e de passagens aéreas das atividades da Polícia Federal. Neste ano serão plantadas 30,1 mil mudas que, quando adultas, poderão seqüestrar 16,1 toneladas de gás carbônico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.