Ex-assessor de Pazuello vira réu por estupro de vulnerável
Jefferson Rudy/ Agência Senado
Ex-assessor de Pazuello vira réu por estupro de vulnerável


O empresário Airton Antonio Soligo, mais conhecido como Airton Cascavel , virou réu no processo que responde pelo estupro de uma criança de sua própria família. O juiz substituto da Vara de Crimes Contra Vulneráveis, em Boa Vista (RR), aceitou a denúncia oferecida contra ele nesta quinta-feira (23).


Cascavel se notabilizou nacionalmente quando foi assessor do ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello. Ele chegou até a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, já que era apontado como o "nº 2" de Pazuello no ministério.


No caso do processo criminal, Cascavel foi acusado pela mãe da criança no dia 14 de setembro. Segundo o G1 RR, a mulher registrou um boletim de ocorrência no Núcleo de Proteção à Criança e Adolescente (NPCA) da Polícia Civil. De acordo com o documento, ela relatou que a criança foi visitar Cascavel e voltou "reclamando de dores nas partes íntimas", além de ter relatado que ele "havia pegado em sua parte íntima e lhe machucado" e de suspeitar que tivesse "sofrido abuso sexual". 


A Rede Amazônica obteve acesso ao laudo, que indica não ser possível "negar ou afirmar que a menor foi vítima de ato libidinoso. Mesmo assim, na última terça-feira (21), o Ministério Público de Roraima ofereceu uma denúncia à Justiça.



Em resposta, a defesa dele disse à Justiça que Cascavel é uma "pessoa sem histórico de violência nos quase 40 anos de vida no estado" e que sempre "dedicou carinho e atenção especial" aos familiares. Dessa forma, a defesa diz que a acusação não passa de uma "denunciação caluniosa", que visa atingir a ele e aos familiares.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários