Tamanho do texto

Crime ocorrido em abril, em São Paulo, deixou oito mortos

Policiais em frente à sede da Pavilhão 9, onde uma chacina fez 8 mortos em 19.4.15
Reprodução de TV
Policiais em frente à sede da Pavilhão 9, onde uma chacina fez 8 mortos em 19.4.15

O Ministério Público do Estado de São Paulo ofereceu denúncia (acusação formal) à Justiça contra duas pessoas pela chacina ocorrida na noite de 18 de abril que deixou oito mortos na sede da Torcida Pavilhão Nove , situada sob a Ponte dos Remédios, na Marginal do Tietê.

No ataque foram mortos a tiro Fábio Neves Domingos, Ricardo Júnior Leonel do Prado, André Luiz Santos de Oliveira, Matheus Fonseca de Olivera, Jhonatan Fernando Garzilla Massa, Jonathan Rodrigues do Nascimento, Marco Antonio Corazza Junior e Mydras Schimidt Rizzo.

Leia mais:  Oito são mortos em chacina na Pavilhão 9, torcida organizada do Corinthians

Polícia identifica 2 suspeitos da chacina na torcida organizada do Corinthians

A Promotoria de Justiça do 5º Tribunal do Júri da Capital denunciou Rodney Dias dos Santos e Walter Pereira da Silva Junior por oito homicídios duplamente qualificados.

Segundo o MP, os dois integravam o grupo de três pessoas armadas que invadiram a sede da torcida organizada e determinaram que todos os que estavam no local se ajoelhassem com as mãos na cabeça. Oito torcedores que não conseguiram fugir foram mortos a tiros. A investigação policial não conseguiu identificar o autor ou autores dos disparos.




De acordo com a denúncia, Fábio Neves Domingos, o “Dumemo”, foi morto por motivo torpe, porque era desafeto de Rodney Dias dos Santos em razão de desavenças antigas na gerência da torcida Pavilhão Nove e de disputa pela venda de entorpecentes na região do Ceasa (zona oeste de São Paulo).

Rodney Dias dos Santos e Walter Pereira da Silva Junior foram denunciados por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima) em relação à vítima Fábio, e por sete homicídios duplamente qualificados (mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima e para assegurar ocultação, impunidade ou vantagem de outro crime), em relação às demais vítimas, que, segundo a denúncia, foram mortas para que não pudessem testemunhar sobre a execução de Fábio Domingos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.