Tamanho do texto

Os brasileiros estão mais sensíveis com as mudanças climáticas, mas ainda há uma inércia que não converte a preocupação em ações. Essa é uma das conclusões de um estudo realizado pelo Instituto de Estudos da Religião (Iser), com o apoio da Embaixada Britânica.

As pessoas ainda não estabelecem vínculos diretos entre questões ambientais e o cotidiano, como a manutenção da saúde. “Mas a questão das mudanças climáticas traz essa urgência. Sou otimista”, afirma a principal autora do estudo, Samyra Crespo.

Entre janeiro e maio, foram ouvidas 210 pessoas consideradas influentes em seis segmentos: mídia, Congresso, sociedade civil organizada, universidades e institutos de pesquisa, empresariado e agências governamentais. “Além de seus papéis sociais, as pessoas estão perplexas como indivíduos diante do desafio. Há um engajamento quase pessoal”, explica ela.

Ela enfatiza que todos os setores esperam que o Poder Executivo indique o direcionamento do Brasil diante da problemática global. A expectativa vem, também, dos legisladores - abertos ao diálogo com o “lobby virtuoso” feito por ambientalistas, mas que não inseriram a temática em propostas de trabalho. “Eles acham que ambiente não dá votos e, de fato, ainda não dá”, diz Crespo.

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.