Tamanho do texto

Os homens se renderam ao botox. Segundo a Allergan, que produz o medicamento à base de toxina botulínica, das 2,5 milhões de aplicações da droga no Brasil em 2008, 8% foram em pessoas do sexo masculino.

Especialistas ouvidos pelo JT dizem que a proporção é maior. O presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Estética (Regional São Paulo), o dermatologista Valcinir Bedin, diz que 25% de seus pacientes são homens. Há 15 anos ele aplica a droga nos pacientes e em si mesmo.

A dermatologista Lígia Kogos, apontada como a “profetisa do botox”, por ser a principal aplicadora da toxina na América Latina, diz que a proporção se aproxima dos 40% em sua clínica. “No começo, o botox era utilizado pelas mulheres, mas foi crescendo entre os homens”, recorda Lígia. “Há poucos anos eles eram 28%, 30%, chegaram a 35% e se aproximam de 40%.”

O pedido é quase sempre o mesmo: suavizar as marcas de expressão entre as sobrancelhas. “Querem corrigir a aparência de ‘braveza’ ou cansaço”, diz Bedin. O que os incomoda, segundo o dermatologista, é o fato de parecerem estar zangados ou cansados sem que isso esteja ocorrendo de verdade. Um pouquinho de botox na região eleva as sobrancelhas e os deixa com a feição mais alegre e bem disposta.

Lígia e Bedin dizem que os homens se preocupam mais em ter uma boa aparência no ambiente de trabalho do que em satisfazer vaidades estéticas. “Esses homens, a maioria acima dos 40 anos, viajam muito, estão estressados e têm sempre de conhecer pessoas novas e, por isso, precisam aparentar boa disposição.” Outro motivo é o receio com a entrada dos mais jovens - cheios de energia - no mercado de trabalho.

E por que exatamente o botox? Lígia é certeira na explicação: ao contrário das cirurgias plásticas, a aplicação de botox vai ao encontro da objetividade buscada pelos homens. “Cirurgias são mais imprevisíveis e podem ter complicações. O botox é rápido e o resultado alcançado, o esperado.” Mas, no fundo, embaixo de tudo isso, claro que existe vaidade. “O homem quer ficar com aparência melhor, mas também quer ficar bonito”, afirma Bedin. As informações são do Jornal da Tarde.

AE