Ronnie Lessa
Reprodução/TV Globo
Ronnie Lessa

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) rechaçou a tentativa do sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa de restituir o pagamento integral de seus vencimentos. Acusado de ser um dos executores da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes , ele teve um recurso em mandado de segurança negado pelo ministro Rogerio Schietti Cruz, do STJ, que manteve a decisão tomada pela Justiça fluminense de bloquear 70% do salário do militar para eventual pagamento de indenização às famílias das vítimas.

Foi a segunda derrota judicial de Lessa esse ano. Em fevereiro, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio negou outro recurso do PM. Desta vez, contra a decisão do juiz do caso, Gustavo Kalil (4º Tribunal do Juri), que entendeu haver elementos para levá-lo, com Élcio Queiroz , o outro acusado da execução, ao banco dos réus.

Como sargento reformado, segundo fontes da PM, Lessa ganhava em torno de R$ 6 mil mensais. Quando o sargento e o ex-soldado da PM Élcio Queiroz foram presos, em março de 2019, o juiz bloqueou parte dos vencimentos de Lessa. Para liberar o dinheiro, a defesa alegou que esses recursos tinham caráter alimentar, “indispensáveis para a subsistência dos próprios familiares do insurgente”.

Lessa, após perder em todas as instâncias da Justiça fluminense, recorreu ao STJ . Ao rejeitar a alegação, o ministro Rogerio Schietti, relator do caso, afirmou em sua decisão que a “impenhorabilidade dos proventos não é absoluta e comporta exceções”, citando o artigo 833 do Código de Processo Civil, que autoriza a penhora de proventos de aposentadoria para pagamento de prestação alimentícia (no caso, dos filhos de Marielle e Anderson), independentemente de sua origem.

A próxima batalha judicial de Lessa será decidida pelo desembargador Marcus Henrique Pinto Basílio, segundo vice-presidente do TJ-RJ. Depois que a 1ª Câmara Criminal negou o recurso da defesa, mantendo a sentença de pronúncia dos réus para levá-los à júri popular, os advogados ingressaram, no dia 5 de abril, com um recurso especial de Ronnie Lessa na 2ª Vice-Presidência, a quem caberá decidir se o caso deve ou não ser enviado para o STJ. O júri somente será marcado após o julgamento desses eventuais recursos.

Lessa, que se encontra no presídio federal de Campo Grande (MS), deverá ser julgado ainda esse ano, de acordo com fontes do TJ.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários