Diego Flausino é gerente de tráfico na Fazendinha
PECERJ/Divulgação
Diego Flausino é gerente de tráfico na Fazendinha

A Polícia Civil prendeu, nesta quarta-feira (2), o traficante Diego Flausino da Fonseca, conhecido como Dieguinho, que atua como gerente do tráfico da Fazendinha, no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio. Segundo os investigadores, o criminoso foi um dos principais apoiadores da invasão ao Complexo do São Carlos, no Rio Comprido, na Zona Norte do Rio, que levou pânico aos moradores da região na semana passada . Ele foi detido por policiais civis da 26ª DP (Méier), em um dos acessos a comunidade.


Diego fugiu da prisão em 2018, e é sobrinho de Marcelo Fonseca de Souza, o Marcelo Xará, líder da facção criminosa que organizou a ação no São Carlos. Segundo a polícia, Diego foi responsável por recrutar e enviar traficantes do Complexo do Alemão para a região onde ocorreu o confronto. Ele será reconduzido ao sistema penitenciário para cumprir a pena pela qual já foi condenado.

Confrontos no São Carlos

A invasão do São Carlos teve início na noite do dia 26 de agosto. Durante a disputa entre os traficantes, Ana Cristina da Silva, de 25 anos, foi morta com dois tiros de fuzil, ao proteger o filho de apenas 3. Já durante a madrugada, avó, filha e neta foram mantidas reféns por um bandido em fuga. Na tarde de quinta-feira, dia 27, criminosos fugiram a pé e se esconderam dentro de um apartamento, e mantiveram uma refém. Ao fim, os quatro criminosos foram presos.

Segundo a polícia, a invasão ao Morro da Mineira, localizado no Complexo do São Carlos, foi orquestrada na Rocinha, na Zona Sul, pela cúpula da maior facção criminosa do Rio e teve apoio de outras favelas. Ao todo, a operação da Polícia Militar nos bairros do Catumbi, Estácio e Rio Comprido resultou na prisão de 16 homens e na apreensão de nove fuzis, dez pistolas, 42 granadas, munição e drogas.

Após a operação, o subsecretário operacional de Polícia Civil, Felipe Curi, disse, em entrevista à Globonews, que a corporação solicitaria a transferência de líderes de facções para presídios federais. Curi afirmou ainda que solicitaria à Secretaria de Assuntos Penitenciários que outras lideranças da maior facção criminosa fiquem isoladas no Complexo de Gericinó.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários