dois médicos da Samu ensacam corpo em cima de cama
Yan Boechat
Socorristas do Samu preparam cadáver de mulher idosa que morreu com suspeita de estar contaminada pelo novo coronavírus


Logo depois de acordar, no feriado de 21 de abril, Rogério da Silva Filho, de 44 anos, sentiu-se mal e caiu no banheiro de seu apartamento, na Zona Sul de São Paulo.

Ana Cristina Silva, sua mulher, conseguiu carregá-lo para a cama, mas em poucos minutos Rogério morreu. Levou oito horas até que o corpo fosse retirado e transportado para o cemitério da Praia Grande, litoral de São Paulo.


"O único problema que ele tinha era a pressão alta, mas estava controlada. De repente ele se foi, é difícil de acreditar", conta Ana Cristina, que passou quatro horas ao lado do corpo do marido até a chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Leia também: Máscara reutilizada e capa de chuva: o que vivem enfermeiros do Santa Marcelina

Como em todos os casos assim, o corpo de Rogério foi preparado por médicos e enfermeiros do Samu: foi despido, desinfetado com uma solução de água com hipoclorito de sódio e colocado em um saco plástico. Ficou assim por mais quatro horas no quarto, até que o serviço funerário o levasse direto para o cemitério, onde foi enterrado ao lado dos pais, depois de uma cerimônia simples.

Rogério havia recebido o resultado positivo para a Covid-19 poucos dias antes de morrer. Parecia estar se recuperando bem. Por duas vezes ele havia ido ao Hospital Cruz Azul, na região central da capital, onde trabalhava como analista de sistemas. Nas duas vezes foi instruído a voltar para casa e acompanhar os sintomas.

funcionários do samu empurram caixão para fora de portão domiciliar
Gustavo Basso
Por conta da Covid-19, o número de mortes domiciliares tem aumentado em São Paulo


O caso revela um novo drama causado pela pandemia. São Paulo, cidade mais afetada pela doença no país, tem registrado um número crescente de pessoas que morrem em casa vítimas do novo coronavírus.

Entre os dias 10 e 20 de abril, o Samu emitiu 20 atestados de óbito para moradores da capital que faleceram em seus domicílios com sintomas claros da Covid-19. Todos foram testados para a doença, mas alguns resultados ainda não ficaram prontos.

Leia também: Desde 20 de março, internações em SP por covid-19 aumentam 1500%

"As mortes que nós registramos como Covid-19 eram casos em que havia muito poucas dúvidas de que se tratava de uma evolução causada pelo novo coronavírus ou casos em que os pacientes já haviam testado positivo", diz, sem se identificar, um dos diversos médicos do Samu que agora são responsáveis por emitir os atestados de óbito.

Subnotificação

Para o médico, o número real de falecimentos relacionados ao vírus é maior do que o registrado pelo próprio Samu . "A verdade é que em uma pandemia é impossível saber se os outros casos não estavam também relacionados com a Covid-19."

No mesmo período de dez dias, o Samu emitiu outros 120 atestados de óbito nas residências de São Paulo. Trata-se do dobro do que era registrado em intervalo de tempo semelhante antes da pandemia . Em nenhum desses casos houve teste para Covid-19, ainda que alguns entrem na lista de suspeitos.

Leia também: Taxa de isolamento social no estado de São Paulo cai para 48%

Segundo médicos e enfermeiros do serviço entrevistados pelo Globo ao longo dos últimos dias, o número de mortes domiciliares relacionadas à Covid-19 cresceu ainda mais nesta última semana.

O Samu não divulgou dados da emissão de atestados de óbito entre os dias 20 e 24. Foi no dia 18 de abril, um sábado, que os médicos do Samu perceberam um aumento nos casos.

"Apenas no meu último plantão, dos sete atendimentos que fiz, quatro eram para atestar o óbito de pessoas que tinham sintomas compatíveis com os da Covid-19", conta o médico Francis Fuji, diretor médico do Samu, ao fim do seu plantão semanal no dia 11. "Estamos vendo pessoas que apresentavam sintomas leves, que foram ao hospital e naquele momento não havia necessidade de atendimento, mas que perderam sua capacidade pulmonar muito rapidamente e vieram a óbito."

Desde o dia 10 o Samu é responsável por emitir os atestados de óbitos de todos os moradores da capital que morrem em casa . Em tempos normais, essa era uma atribuição do Serviço de Verificação de Óbitos (SVO) da prefeitura.

Todos os corpos resultantes de mortes não violentas seguiam para o SVO, onde médicos legistas faziam uma necrópsia para identificar a causa. Só então os corpos eram liberados para o serviço funerário.

Funcionária de Samu desinfeta leito
Yan Boechat
Desde 10 de abril, o Samu é responsável por todos atestados de óbito de moradores que morrem em casa na capital paulista


No dia 20 de março o governador João Doria emitiu uma portaria interrompendo essa prática. A partir daquela data, qualquer pessoa que tenha morrido com suspeitas de Covid-19 não passaria mais por necrópsia.

A portaria determinava também que os corpos deveriam ser desinfetados, colocados nus em um saco conhecido como mortalha e enterrados o mais rapidamente possível, sem direito a velório e com caixões lacrados.

Sobrecarga

Com o aumento das mortes domiciliares e a obrigatoriedade de o Samu declarar o óbito e preparar o corpo para ser recolhido pelo serviço funerário, o serviço de atendimento de emergência, que já enfrentava problemas há anos, ficou ainda mais sobrecarregado.

O Samu conta com três configurações de unidades de atendimento: uma básica, uma intermediária e uma avançada, a única a contar com um médico na equipe. Tanto na básica quanto na intermediária quem presta os atendimentos são enfermeiros e socorristas. Pela legislação brasileira, apenas um médico pode atestar o óbito de uma pessoa.

Leia também: Favelas se organizam para conter coronavírus em comunidades de São Paulo

"O que está acontecendo é que nossos melhores recursos, nossas equipes mais bem preparadas para atender os casos mais graves estão sendo deslocadas para atender os mortos enquanto várias pessoas vivas estão sem atendimento, não faz sentido", diz uma enfermeira que faz parte de uma unidade de atendimento avançado do Samu, que prefere não se identificar.

Outro médico, que pediu anonimato, conta já ter deixado de atender pacientes em estado grave enquanto preparava atestado de óbito. Esse mesmo profissional confessa que não se sente capaz de atestar as mortes.

"Eu faço porque tenho que fazer, mas eu não sou preparado para isso, não sei como identificar como alguém morreu ao olhar um corpo ou ouvir os parentes", afirma o médico, que acredita que haverá um impacto importante nos dados estatísticos dos óbitos registrados em São Paulo. "Se a vítima tiver sintomas muito característicos para a Covid-19 , tudo bem, mas se são apenas alguns, prefiro colocar morte a esclarecer. Não tenho confiança em determinar a causa."

Autópsia verbal

A reclamação é tão comum entre os profissionais do Samu que mesmo o diretor médico do serviço reconhece que as mudanças causam impactos negativos.

"A autópsia verbal é basicamente um questionário com mais de cem perguntas para o familiar da vítima", explica Francis Fuji. "São questões muitas vezes sensíveis para alguém que está com o corpo de um ente querido na sala ou no quarto. Não é simples, toma um tempo incrível."

funcionários da samu em frente a caixão
Yan Boechat
Médicos do Samu confessam não se sentir seguros para atestar a causa das mortes


Fuji estima que o tempo de atendimento em casos suspeitos de Covid-19 tenha no mínimo dobrado por conta dos protocolos de segurança que ele e sua equipe precisaram adotar.

"Até o início da pandemia nossa média era de 90 minutos. Agora dobrou e, quando temos atestado de óbito, passo às vezes duas ou três horas no local apenas preparando o corpo e fazendo a autópsia verbal", diz.

O Samu de São Paulo atende em média 600 casos por dia. Pelas estimativas do diretor médico do serviço, pelo menos 70% desses atendimentos agora estão diretamente relacionados ao novo coronavírus .

    Veja Também

      Mostrar mais