Agência Brasil

revolver
Pexels
Armas foram apreendidas com os adolescentes

Policiais civis e militares apreenderam nesta quarta-feira (11) uma arma de fogo calibre 22 , com silenciador, uma arma de pressão, um simulacro de pistola, além de munição calibre 38, dois canivetes, uma faca, 15 lâminas de bisturi e celulares com mensagens alusivas a ataques ocorridos em ambiente escolar na casa de três adolescentes em Avaré, São Paulo. Os jovens são suspeitos de planejar ataque a uma escola pública nesta cidade.

Leia também: Autor de ataque em Charqueadas diz ter se inspirado em Suzano

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP), os jovens estavam sendo monitorados pelo Gabinete Integrado de Segurança e Proteção Escolar, após denúncias e a identificação de postagens em redes sociais, além de informações com ameaças a estudantes e profissionais da educação.

Segundo a SSP, o caso foi registrado na Delegacia Seccional de Avaré, e o Conselho Tutelar foi acionado. Os menores foram encaminhados para a Vara da Infância e Juventude com pedido de apreensão.

"O pai de um adolescente foi preso por posse irregular de arma de fogo e aguarda audiência de custódia. As investigações prosseguem para elucidar os fatos", informa a SSP.

Segurança

O governo do Estado de São Paulo lançou o programa Escola mais Segura, um pacote de medidas para reforçar a segurança em unidades de ensino estaduais por meio da Polícia Militar.

Uma das medidas foi a criação do Gabinete Integrado de Segurança e Proteção Escolar (Gispec), cujo objetivo é contribuir para o planejamento das estratégias de segurança tanto nas sedes administrativas quanto nas unidades escolares, em parceria com a SSP.

Também foi feita a integração entre as câmeras de segurança das escolas da rede estadual com o Centro de Operações Integradas (COI), que reúne outros setores como o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil.

Conviva

O governo do estado destacou ainda o projeto Conviva , cujo objetivo é melhorar a convivência e a proteção escolar para tornar a escola um ambiente mais seguro, colaborativo, acolhedor e solidário. Segundo o governo paulista, o Conviva continua em andamento, visando identificar as vulnerabilidades de cada unidade escolar e atrelar ações proativas de segurança.

Um ano do ataque em Suzano

Há cerca de um ano, dois ex-alunos da Escola Estadual Raul Brasil, localizada em Suzano, no interior paulista, invadiram o estabelecimento e mataram a tiros cinco estudantes e dois funcionários. O caso completa um ano na próxima sexta-feira (13).

    Veja Também

      Mostrar mais