IstoÉ

Criança sendo vacinada arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Brasil teve surto de sarampo em 2019

A Justiça brasileira está tomando uma atitude em conformidade com o modelo de países desenvolvidos: pais que se recusam a vacinar os filhos estão sendo condenados ao pagamento de multas de até R$ 20 mil e podem perder a guarda das crianças. Nos últimos seis meses, ao menos três decisões dessas foram expedidas. A onda “ anti-vacina ” ajuda a entender como doenças erradicadas, a exemplo do sarampo e da febre amarela, se disseminaram no Brasil.

Leia também: Rosivânia: Um nome por trás da recuperação de crianças vítimas de pedofilia

Os pais, muitas vezes influenciados por notícias falsas e fanatismo religioso, tomam esse tipo de atitude e podem comprometer a saúde dos filhos e de outras crianças. Na Alemanha, há multa para os pais que não vacinam, e em Nova York os filhos que não estiverem em dia com a vacinação não podem ser matriculados em escolas.

Decisões judiciais como essas parecem bastante necessárias: afinal, a imunização de menores de um ano tem caído no Brasil, exigindo atitudes drásticas para que o País não se torne ainda mais doente.

Única medalhista iraniana deixa o país

Kimia Alizadeh, lutadora iraniana de taekwondo e medalista de bronze na modalidade nas Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016, anunciou que deixará o Irã. O anúncio vem em meio à tensão que o país enfrenta em conflito com os EUA, embora isso não tenha sido citado pela lutadora, que afirmou ter tomado a decisão por causa de “hipocrisia, mentiras, injustiça e bajulação”. No texto, publicado no instagram, ela diz ter sido usada como marionete pelo governo iraniano, e que tolerou isso por bastante tempo. A expectativa é que vá morar na Holanda, atraindo os holofotes na preparação para as Olimpíadas de Tóquio desse ano: disputará sob a bandeira do Irã?

“Não bebam a Belorizontina. Seja de qual lote for”

A frase é de Paula Lebbos (foto), sócia-proprietária da Backer, cervejaria que está no meio de uma grande polêmica envolvendo lotes contaminados do rótulo Belorizontina, uma das bebidas artesanais mais consumidas em Minas Gerais. O governo já contabiliza ao menos 18 casos de pacientes intoxicados após o consumo da cerveja, com três óbitos confirmados: síndrome nefroneural. O Ministério da Agricultura informou que o problema está na água que a cervejaria utilizou na fabricação do lote, contaminada com dietilenoglicol – substância tóxica presente no sangue de um dos pacientes. A Backer foi interditada e obrigada a fazer recall de todos as bebidas produzidas desde outubro.

Leia também: Idosa tem braço cortado ao retirar gesso em hospital do Rio: "chorava de dor"

Victor Chaves é condenado à pequena pena

O cantor Victor Chaves, da dupla sertaneja Victor & Léo, foi condenado pela agressão à ex-esposa, caso que ocorreu em 2017. o vídeo do elevador em que o crime ocorreu foi revelado. Nele, Victor derruba a esposa no chão e tenta chutá-la. Apesar das evidentes provas visuais, a pena foi bastante branda: 18 dias de prisão e pagamento de multa de R$ 20 mil — sentença da qual ele já recorreu.

O planeta e o jovem

Divulgação

A história de Wolk Cukier, de 17 anos, é a prova de que as máquinas não conseguirão superar tão facilmente a inteligência humana. O garoto, antes de completar o ensino médio, descobriu o que nenhum especialista da Nasa e nenhuma máquina havia conseguido por si só: um novo planeta. O feito aconteceu quando ele fazia um curto estágio na Nasa e percebeu uma peculiaridade nos dados do satélite TESS. Fã de Star Wars, Cukier comparou o novo planeta, que orbita duas estrelas, com o que Luke Skywalker mora na saga, no qual aparecem dois sóis.

Leia também: Deficiente físico é preso dirigindo carro roubado sem habilitação ou adaptações

Beijo gay entre PMs viraliza

A imagem do beijo entre um soldado da polícia militar e seu namorado, ao lado de um cabo feminina e sua companheira, repercutiu na semana passada. A foto foi feita durante uma formatura da corporação no Distrito Federal, e ganhou ainda mais destaque após a divulgação do áudio de um tenente-coronel da reserva, classificando o ato como “avacalhação” e “frescura”. A PM blindou todos os envolvidos no caso e afirmou que não endossa qualquer tipo de preconceito, e que a fala do tenente é uma “opinião pessoal”. O Ministério Público apura se o caso pode ser enquadrado como homofobia.

    Veja Também

      Mostrar mais