Copacabana tem bagunça e desordem após virada do ano
Gabriel Monteiro/Agência O Globo
Copacabana tem bagunça e desordem após virada do ano


As regras não são novas, mas parecem que foram feitas para serem desrespeitadas. Mesmo num dia nublado, como esta quinta-feira, não foi difícil flagrar a desobediência às determinações do Código de Postura da Cidade do Rio de Janeiro para as praias, praticadas tanto por banhistas como pelos ambulantes , bem como muita bagunça e desordem, principalmente em Copacabana , palco da principal festa da virada . Lixo e cadeiras empilhadas perto das barracas montadas nas areias ainda tiravam o espaço de quem foi à praia aproveitar o primeiro dia útil do ano novo.

"O lixo é o que mais me incomoda. É a falta de educação de nós mesmos. O poder público tem a obrigação de fazer a retirada, mas não é quem joga. A população tem sua parcela de culpa", aponta o turista Alexandre Rabelo, de 30 anos, que veio de Manaus com a namorada Alessandra Reis, de 23.

O vale-tudo nas areias vai desde a venda de alimentos perecíveis e preparados na hora como quejo coalho e camarão no espeto, à prática de altinha e frescobol à beira-mar, entre 8h e 17h. O passeio dos cães com seus donos está permitido desde setembro, mas ainda causa polêmica. Pela legislação, os animais precisam estar com coleiras e atestado de vacinação em dia. As fezes devem ser recolhidas pelos seus responsáveis.

"O que mais me incomoda são os amnimais andando na areia. Principalmente porque alguns donos não obedecem às regras definidas para quem quer trazer o animal na praia", reclama o segurança Jairo Gonzada Policarpo, de 54 anos.

Leia também: Bala perdida atinge cobertura em Copacabana na virada do ano

Você viu?

Regras

A altinha (jogo de bola prtaicado à beira-mar) assim como o frescobol (no qual se utilizam bola e raquetes) já viraram uma verdadeira tradição nas areias cariocas e mesmo os banhistas mais incomodados fazem vista grossa. Porém, a parte desses esportes, bem como o de todos os outros que utilizam bolas, raquetes, petecas, discos ou similares são proibidos na beira da água entre as 8h e 17, justamente para garantir a segurança dos frequentadores. Para efeito dessa proibição, é considerado beira d´água a faixa de areia entre o mar e as tendas dos ambulantes que possuem ponto fixo.

Nessa quinta-feira, grupos de pessoas de várias idades foram flagradas praticando a altinha e o futebol em diferentes trechos das praias do Leblon, Ipanema e Copacabana fora horário e do trecho permitido. Quando abordados os banhistas até reconhecem o erro, mas tentam justificar a atitude argumentando que estão jogando num trecho onde a concentração de banhistas é menor.

"Se tivesse mais gente não estaríamos jogando aqui", argumenta o eletricista Diego da Cunha Lopes, de 30 anos, que jogava a altinha com um grupo de amigos perto do Posto 9, em Ipanema.

Leia também: Feriado de ano novo teve menos acidentes em rodovias

Difícil de cumprir

As normas estão previstas no Código de Posturas do município desde 2008 e incluem ainda a proibição da comercialização de alimentos perecíveis, mesmos preparados na hora, como camarão, queijo coalho, cairpirinhae churrasco. Apesar disso, algumas destes produtos já são vistos como verdadeira instituição das areias e muita gente faz vista grossa. Na altura do posto 8, em Ipanema, um casal acendeu uma espécie de fogareiro. Enquanto a mulher abanava o fogo o homem apregoava “Olha o coalho assado na hora”.

"ei que não é permitido, mas é o meu ganha-pão. A gente aproveita que não tem fiscalização por perto para defender o nosso", justiticou um vendedor de queijo coalho, que não quis se identificar.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários