Tamanho do texto

Mãe do menino contou que ficou em estado de choque quando ouviu os gritos do filho em cima do carro. Antes, cão atacou patinete da irmã de João

ataque de cachorro arrow-options
Reprodução
Após se livrar do cão, o dois ficam em cima de um carro para fugir dos novos ataques

A babá Fernanda Carneiro, de 63 anos, estava com o pequeno João Paulo, de 4 anos, e sua irmã Ana Clara, de 7, quando um pitbull atacou João no pescoço na rua Gitirana, em Parque Anchieta, na Zona Norte do Rio. O vídeo do ataque viralizou nas redes e a babá chegou a ser atacada nas redes por sua atitude no momento.

Leia mais: Dia de herói! Jovem enfrenta cachorro e salva criança de ataque no Rio; assista

Sem som, por ser um vídeo de câmera de segurança da rua, enquanto Patrick do Céu, de 20 anos, e o pequeno João sobem em um carro para fugir do ataque , Fernanda sai andando. Naquele momento, no entanto, ela e Patrick contam que ele pediu para que ela buscasse ajuda na rua.

"O sentimento foi de impotência e medo. Por não conhecer o Patrick, eu não queria deixar o João com ele, mas ele gritava meu nome “Tia Fê!” e chorava muito", diz a babá, que trabalha para a família de João há 3 anos", e que respondeu para João que já voltava. Com a mordida do pescoço, João levou dois pontos no pescoço.

O ataque começou quando o cachorro atacou o patinete da irmã de João, Ana Clara. "Eu falei para eles não demonstrarem medo, e disse para a menina ir andando depois que ele pegou o patinete. Quando tirei a criança da boca do cachorro, falei para a babá “senhora, vai procurar ajuda!”, conta Patrick.

Mãe de João diz que ficou em choque: 'Meu coração começou a doer'

Os gritos de João foram ouvidos pela mãe dele, Elisabete Caxias, de 40 anos, que mora na rua transversal.

"O João gritava o nome da Fernanda e o meu. Eu tinha acabado de chegar em casa, e vim correndo. Eu fiquei em choque na hora que vi a cena dele em cima do carro e meu coração começou a doer", descreve a mãe da criança, que ajudou a socorrer também a babá e Patrick.

Leia também: Assessor de Weintraub diz que MEC tem "alguns talentos e muitos medíocres"

Ela conta que a situação só foi resolvida quando vizinhos emparelharam dois carros para retirar a criança e Patrick de cima do veículo vermelho. Patrick entregou João, que entrou pela janela de um carro, e ele entrou em outro.

Os bombeiros chegaram depois e levaram o cachorro , de acordo com os vizinhos, que não sabem de quem é o animal. Ele teria seguido a vó de Patrick até a porta da casa dele naquele mesmo dia, quinta-feira à tarde, momentos antes do ataque.

"Quando vi o cachorro, fechei o portão. Mas vi que estava manso e botei para dentro de casa, dei comida. Depois fiquei com ele na rua, e foi na hora que tudo aconteceu", lembra Patrick.

Na casa de João não tem cachorro, mas ele convive com Luke, um vira-lata que a avó e a tia dele adotaram. "Quando era mais novo, ele tinha medo de cachorro, quando a tia dele adotou o Luke, ele foi perdendo o medo", conta a mãe de João, que diz que ele está reagindo bem com Luke após o ataque.

"Na sexta-feira um cachorro da vizinhança latiu e ele acordou assustado, mas com o Luke está bem." Ao ouvir o nome do cachorro, o pequeno João afirma:  "o Luke é meu cachorro! Ele é bonzinho".