Ágatha
Arquivo pessoal
Ágatha morreu após ser atingida por um tiro de fuzil nas cotas

O Ministério Público do Rio (MPRJ) vai devolver hoje o inquérito que apura a morte da pequena Ágatha Vitória para a Delegacia de Homicídios da Capital (DH). De acordo com a Auditoria Militar do órgão, o laudo da reprodução simulada do crime, realizada no dia primeiro de outubro, não estava anexado ao documento.

Leia também: 'Como mãe, quero resposta', diz mãe sobre os 45 dias da morte da menina Ágatha

Segundo advogados da Comissão de Direitos Humanos da Ordem de Advogados do Brasil (OAB) que acompanham o caso junto à família de Ágatha , a DH já havia encaminhado o inquérito para o MP para que o prazo de conclusão fosse prorrogado. Ainda de acordo com o grupo de juristas, o documento foi movimentado pelo MP no último dia 30.

Passados 45 dias, a polícia ainda não concluiu quem foi o autor do disparo que atingiu a criança, no dia 21 de setembro, no Complexo do Alemão. Ágatha foi baleada por um tiro de fuzil durante uma ação de policiais militares. Testemunhas dizem que o responsável pela morte da menina foi um agente público de segurança.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários