O trabalho de buscar a origem do petróleo para evitar que chegue às praias do Nordeste, como vem acontecendo desde o início de setembro, "é (como procurar) uma agulha no palheiro", segundo diretor de Assuntos Corporativos da Petrobras, Eberaldo de Almeida Neto.

Leia também: Vazamento de óleo é problema internacional, diz contra-almirante

Petrobras
Tânia Rego/Agência Brasil - 31.7.2015
Petrobras


Leia também: MP investiga conduta do governo Bolsonaro sobre vazamento de óleo no Nordeste

Ele acrescentou que a estatal e demais instituições que atuam para limitar o vazamento estão "partindo para um mundo que não tem controle". Isso porque a Petrobras não tem equipamentos e conhecimento técnico para conter o vazamento de um petróleo com características diferentes do que produz. Diante da dificuldade, até agora, a única alternativa continua sendo esperar que a maré e as correntes marítimas empurrem o óleo para as praias.

Leia também: Vazamento de óleo pode ter partido de navio irregular, diz Marinha

Até esta sexta-feira, a Petrobras recolheu cerca de 340 toneladas de resíduos nas praias do Nordeste."Ele (o líquido) vem pelo fundo. Fica praticamente impossível pegar a montante esse óleo", disse Almeida, acrescentando que funcionários da estatal recorreram ao uso de satélites e sobrevoaram o litoral em busca da origem do imbróglio, sem sucesso. A Marinha ainda está investigando as causas do acidente ambiental, segundo Almeida.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários