Tamanho do texto

Corregedoria vai investigar como homem se passou por agente

milicia
Agencia O Dia/
Mototaxista morto por milicianos de Itaboraí teve coração arrancado

O Departamento Geral de Homicídios e Proteção a Pessoa (DGHPP) vai pedir que a Corregedoria da Polícia Civil investigue o possível envolvimento de agentes da secretaria com a milícia de Itaboraí. A medida foi anunciada pelo diretor do DGHPP, o delegado Antônio Ricardo Nunes, após o cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão contra PMs na Operação Salvator, que investiga o grupo paramilitar.

Leia também: Defesa rebate carta e diz que Léo Pinheiro "fabricou versão" contra Lula

De acordo com o Ministério Público estadual (MPJR) um dos presos na operação desta quinta, Mayson César Fidélis Santana, se passava por policial civil há mais de 10 anos, chegando até a dirigir viaturas da 71ª DP (Itaboraí). Testemunhas disseram, inclusive, ter visto uma viatura na casa dele . Não se sabe dizer se o veículo era clonado ou não.

Mototaxista morto por milicianos de Itaboraí teve coração arrancado
Mayson também atuou em delegacias de Niterói. No entanto, não é possível afirmar se ele participou de investigações e operações.

"Vamos acionar, imediatamente, a Corregedoria para apurar o envolvimento de eventuais policias civis e a razão dessa pessoa estar atuando na Polícia Civil. É inadmissível que isso aconteça, completou", enfatizou Nunes.

A operação desta quinta é contra um grupo paralimitar ligado ao ex-PM e miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica. Há cerca de um ano e meio, Curicica expandiu seus domínios para Itaboraí, na Região Metropolitana do estado.

Leia também: "Aqui você não manda", dispara Maia ao ser enquadrado pelo Major Vitor Hugo

São mais de 70 mandados de prisão e 90 de busca e apreensão em vários pontos do Rio, Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Rio Bonito. Alguns deles contra policiais militares.