Tamanho do texto

Operação Singular investigou grupo que furtava dados de pessoas comuns e empresas para aplicação de golpes; buscas aconteceram em SP, RS e CE

Dinheiro PF
Divulgação/PF
Foram cumpridos 5 mandados de busca e apreensão e 5 de prisão preventiva

Nesta terça-feira (4), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Singular, que visava combater a criminalidade cibernética e desarticulou um grupo responsável por diversas fraudes bancárias e em organizadora de concursos.

Leia também: Celular amortece impacto de bala e salva a vida de policial no Rio de Janeiro

Segundo informações da PF , os investigadores encontraram a organização criminosa com abrangência nacional após a relização de intensa investigação digital no ambiente conhecido como deepweb, parte da interner que não é acessível por meio de mecanismos de busca.

O principal crime identificado é o de  fraude bancária eletrônica, com o roubo e revenda de dados de cartões de crédito. Ao todo, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e outros cinco de prisão preventiva nos Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Ceará. 

Ainda de acordo com a investigação da PF , foi identificado que um dos hackers da quadrilha invadiu o sistema informático de uma grande empresa responsável pela elaboração de concursos e passou a cobrar valores em criptomoedas para aprovar candidatos que conseguissem chegar à segunda fase do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Leia também: Prefeitura de SP iniciará internação involuntária para usuários de drogas