Tamanho do texto

Rogério Schietti diz que 'em nenhuma hipótese' ela pode ficar na ala masculina; decisão ainda deve ser votada na Sexta Turma do tribunal

Pedido da travesti havia sido negado duas vezes pela justiça gaúcha, mas foi revertida pelo ministro do STJ
shutterstock
Pedido da travesti havia sido negado duas vezes pela justiça gaúcha, mas foi revertida pelo ministro do STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogério Schietti determinou nesta quarta-feira (13) a transferência de uma detenta travesti para a ala feminina de um presídio no Rio Grande do Sul, condizente com sua identidade de gênero. A decisão é inédita no tribunal superior.

Leia também: Celso de Mello dá resposta a Damares: "Não se nasce mulher, torna-se mulher”

O pedido da travesti havia sido negado duas vezes pela justiça gaúcha, mas foi revertida pelo ministro do STJ após a defesa alegar tratar-se de “indivíduo extremamente vulnerável, o qual está sendo submetido, ao ser mantido junto ao alojamento masculino, a evidente violência psíquica, moral, física e, quiçá, sexual”.

“A paciente está submetida, por falta de espaço próprio, a permanecer no período noturno em alojamento ocupado por presos do sexo masculino, em ambiente, portanto, notória e absolutamente impróprio para quem se identifica e se comporta como transexual feminina”, concordou Schietti.

O ministro reconheceu não haver espaço específico para abrigar a presa, identificada como Dagmar , em ambiente compatível com sua identidade de gênero, mas ponderou ser preferível que ela seja colocada na ala feminina e “em nenhuma hipótese” na masculina, por ser ambiente “notória e absolutamente impróprio para quem se identifica e se comporta como transexual feminina”.

Leia também: AGU defende que travestis presas fiquem em penitenciária masculina

Ele acrescentou serem evidentes os riscos aos quais a presa trans está exposta, “dada a característica ainda patriarcal e preconceituosa de boa parte de nossa sociedade, agravada pela promiscuidade que caracteriza ambientes carcerários masculinos”.

Rogério Schietti citou o recente voto do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), em que ele se manifestou a favor da criminalização do comportamento homofóbico.

O ministro do STJ também suscitou uma resolução conjunta, de 2014, do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária e do Conselho Nacional de Combate à Discriminação, segundo a qual devem ser oferecidos espaços de vivência específicos às travestis e aos gays privados de liberdade. A decisão ainda deve ser votada na 6ª Turma do tribunal.

No mês passado, o ministro Luís Roberto Barroso concedeu pedido semelhante feito por outras duas travesti , determinando que fossem transferidas para uma unidade prisional compatível com o gênero com o qual se identificam.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.