Tamanho do texto

Onda de violência já registra 250 atentados e prendeu 414 pessoas; governo convocou 1.200 policiais da reserva para reforçar a segurança. Entenda

Ataques no Ceará acontecem pela 24ª noite consecutiva; em Fortaleza, dois tratores foram queimados
Reprodução Twitter
Ataques no Ceará acontecem pela 24ª noite consecutiva; em Fortaleza, dois tratores foram queimados


Assalto em um posto de gasolina e fogo em diversos veículos marcaram a 24ª noite de ataques criminosos no Ceará. Entre a noite de quinta-feira (24) e a manhã desta sexta-feira (25), pelo menos mais cinco casos continuaram a onda de violência em Fortaleza e na região metropolitana do estado.

Leia também: Tiroteios matam ao menos seis pessoas em mais um dia de terror no Ceará

Na capital, homens armados assaltaram clientes de um posto de gasolina e atearam fogo em um automóvel que estava estacionado no local. Além do carro, dois tratores, um ônibus e um micro-ônibus também foram queimados no Ceará durante a madrugada. Pela manhã de hoje (25), um van foi incendiada também em Fortaleza.

Cinco pessoas foram roubadas por dois criminosos no posto de combustível, que fica no bairro de Papicu. O fogo foi controlado por um funcionário. Para atear fogo no micro-ônibus, passageiros foram rendidos por seis homens armados, que atiraram contra o veículo e ordenaram que as pessoas saíssem.

No caso dos tratores, policiais militares e populares conseguiram apagar o fogo com baldes de água, evitando que as chamas se espalhassem pelo prédio em construção no qual os automóveis estavam localizados.

O incêndio na van foi controlado pelo Corpo de Bombeiros.

Até o momento, já foram registrados 250 atentados no estado. A onda de violência inclui, além de veículos queimados, ataques à prédios públicos, prefeituras e comércios de pelo menos 50 dos 184 municípios do Ceará.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública do Ceará (SSP-CE), 414 pessoas já foram detidas por envolvimento nas ações criminosas.

Leia também: Criminosos queimam van e posto de combustível no 22º dia de ataques no Ceará

A  violência no estado começou no dia 2 de janeiro, motivada por ordens dadas de dentro dos presídios, após o governo criar a Secretaria de Administração Penitenciária e iniciar uma série de ações para combater o crime. O novo secretário, Luís Mauro Albuquerque, pediu a fiscalização e apreensão de celulares, drogas e armas de dentro das celas.

Ceará pediu reforços na segurança para combater ataques

Criminosos explodiram ponte, metralharam delegacia e queimaram ônibus escolar em 12ª noite da onda de violência no Ceará
Reprodução/TV Verdes Mares
Criminosos explodiram ponte, metralharam delegacia e queimaram ônibus escolar em 12ª noite da onda de violência no Ceará


Em resposta aos  ataques , o Ministério da Justiça enviou mais um reforço para o estado. Dessa vez, novos 355 agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram mandados para o estado e chegaram na terça-feira (15). Eles estão trabalhando para evitar novas ações criminosas contra viadutos, torres de transmissão de energia e rodovias do estado.

Leia também:  Criminosos incendeiam creche e estação de energia no 21º dia de ataques no Ceará

O governo do   Ceará   também convocou 1,2 mil policiais militares da reserva para combater os ataques, eles tiveram até quarta-feira (16) para se apresentar voluntariamente e receberão uma ajuda de custo de R$ 1,3 mil além do salário de aposentados para contribuir com o patrulhamento enquanto a onda de violência perdurar. Segundo a própria Secretaria de Segurança Pública, 800 se apresentaram e 150 já começaram a trabalhar na quinta-feira (17). Desde o dia 2 de janeiro, já são mais de 200 atentados confirmados no estado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas