Tamanho do texto

Sérgio Roberto Ferreira foi morto por golpes de uma machadinha; Laurindo Panucci Filho foi preso pela polícia civil de São Paulo e confessou o crime

Diretor da UENP foi morto na última sexta-feira (21) após ser agredido com golpes de machadinha
Divulgação / UENP
Diretor da UENP foi morto na última sexta-feira (21) após ser agredido com golpes de machadinha

O professor de Ciências Contábeis da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) Laurindo Panucci Filho confessou ter matado o diretor do campus de Cornélio Procópio, Sérgio Roberto Ferreira, de 60 anos. Panucci foi preso preventivamente e disse, durante a audiência de custódia que “tudo não passou de um equívoco”.

Leia também: Jovem morre ao ser esfaqueado durante discussão na Avenida Paulista

O diretor da UENP morreu depois de ser agredido dentro da instituição na noite de quinta-feira (20). No dia seguinte (21), a polícia prendeu Panucci em flagrante em Teodoro Sampaio, em São Paulo.

“Tudo isso não passou de um equívoco. De algo que poderia ter sido evitado e, muitas pessoas envolvidas, não se envolveram, ao nível, à altura do que vinha acontecendo, é isso que eu tenho a dizer. Tudo o que aconteceu foi um equívoco, eu nunca imaginei em tá cometendo um...[interrupção do juiz]”, afirmou o suspeito no vídeo da audiência de custódia, ao qual o Portal G1 teve acesso.

O professor negou ter passagens pela polícia e pela Justiça, disse que não sofreu qualquer tipo de agressão ou abuso por parte dos policiais, mas não quis falar mais até ter um advogado. “Eu vou me abster de algum relato, até para conversar com um advogado, ver qual que é a orientação que ele vai me dar”, disse.

Leia também: Suzane Von Richthofen é flagrada em festa e volta para a prisão após 'saidinha'

A Delegacia de Cornélio Procópio está investigando o caso. De acordo com a Polícia Civil, o inquérito deve ser concluído até sexta-feira (28). Panucci deve ser transferido para Cornélio Procópio, mas não há previsão para isso acontecer.

Segundo o Boletim de Ocorrência do caso, Panucci confirmou ter ligado para a vítima depois de ter sido advertido formalmente pela universidade e que pediu um encontro com ele.

O suspeito disse que comprou a machadinha , por R$ 19, em uma loja de construção na região da universidade e que a escondeu na mochila enquanto o diretor não chegava ao encontro. Panucci relatou, ainda, que os dois discutiram e que ele feriu a vítima depois que Sérgio disse que emitira uma nova advertência contra ele.

Leia também: Criminosos explodem bancos e fecham principal via de acesso a Campos do Jordão

O diretor foi encontrado na sala onde trabalhava, por funcionários da UENP . Conforme a polícia, ele levou golpes no crânio, no pescoço, no abdômen e no joelho. A vítima chegou a ser levada para o hospital, mas não resistiu. No banco do passageiro no carro de Panucci, os policiais apreenderam, com marcas de sangue, a machadinha supostamente usada no crime.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.