Tamanho do texto

Após duas mortes de militares na segunda-feira, agentes seguem em ação durante a intervenção nos complexos do Alemão, da Maré e da Penha

Pela primeira vez desde o início da intervenção federal no Rio de Janeiro, militares morrem em ação
Fernando Frazão/Agência Brasil
Pela primeira vez desde o início da intervenção federal no Rio de Janeiro, militares morrem em ação

Agentes das forças de segurança permanecem ocupando as comunidades da Zona Norte do Rio de Janeiro. A intervenção continua na manhã desta terça-feira (21) no complexo do Alemão, Penha e da Maré mesmo após as mortes de dois militares na noite anterior.

Essa foi a primeira vez que militares morrem em ação desde o começo da intervenção . O soldado João Viktor da Silva, de 21 anos, foi atingido por um tiro na cabeça, no final da tarde de segunda-feira, durante confronto no interior do Complexo da Penha.

O cabo do Exército Fabiano de Oliveira Santos também morreu atingido por um tiro de fuzil no ombro. Na mesma ação, na localidade conhecida como Serra da Misericórdia, no Complexo do Alemão, ficou ferido com um tiro na perna o soldado do Exército Marcus Vinicius Viana Ribeiro. Ele não corre risco de morte e está internado no Hospital Central do Exército (HCE), no bairro de Triagem.

Em nota, o Comando Militar do Leste (CML) informou que todas as medidas administrativas e judiciais cabíveis já estão em curso.

É o quarto dia consecutivo de operações na região que tem 26 comunidades e cerca de 550 mil habitantes.

O número de criminosos mortos em confronto com as forças de segurança do Estado subiu para seis, depois que militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) foram atacados por bandidos armados na favela Nova Holanda, no Complexo da Maré. No confronto, um criminoso acabou ferido e foi encaminhado para o Hospital Federal de Bonsucesso, mas não resistiu ao ferimento.

Balanço da intervenção federal

ONGs consideram intervenção federal das Forças Armadas no Rio de Janeiro inconstitucional
Tomaz Silva/Agência Brasil - 27.2.18
ONGs consideram intervenção federal das Forças Armadas no Rio de Janeiro inconstitucional

A Polícia Militar do Rio de Janeiro realizou uma  série de ações ao longo de segunda-feira (20), que resultaram na apreensão de oito fuzis, dez pistolas, quatro granadas e munição de diversos calibres, além de grande quantidade de drogas.

Algumas dessas ações ocorreram em desdobramento à grande Operação do Comando Conjunto das Forças Armadas, iniciada a partir das 4h da madrugada no complexo do Alemão, da Penha e da Maré.

Também como resultado dessas ações, 60 pessoas foram presas,14 armas foram apreendidas, sendo 5 fuzis. Cerca de 4.600 foram revistadas.Com as apreensões de hoje, sobe para 217 o número de fuzis retirados das mãos de criminosos no Estado do Rio de Janeiro desde o início do ano.

Logo no início da manhã, policiais do 12º Batalhão da PM (Niterói) realizavam patrulhamento pela Alameda São Boaventura, quando desconfiaram de homens que estavam dentro de dois carros. Na abordagem, os criminosos tentaram fugir e foram interceptados em um dos acessos à Ponte Rio-Niterói.

Houve confronto armado e nove criminosos foram atingidos. Seis deles não resistiram aos ferimentos e os outros três foram levados para o Hospital Estadual Azevedo Lima, no bairro do Fonseca.

Um policial também ficou ferido na perna e foi socorrido na mesma unidade. O estado de saúde dele é estável. Quatro fuzis, quatro pistolas, quatro granadas, sete rádio transmissores, munições e carregadores de diversos calibres foram apreendidos. Os dois carros em que estavam os bandidos foram recuperados.

Ainda pela manhã, equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) libertaram uma família que estava sendo mantida refém por criminosos armados no Morro da Fé, no Complexo da Penha, zona norte do Rio.

Os policiais resgataram um casal com duas crianças em uma residência no interior da comunidade. Na ação, seis criminosos foram presos após negociação. Entre eles, o líder da facção criminosa do estado do Amazonas, conhecido como JR. Com eles foram apreendidos um fuzil e três pistolas. A ocorrência foi registrada na 27ª delegacia policial (Vicente de Carvalho).

Já no início da tarde, equipes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Vila Cruzeiro realizaram uma ação de Inteligência e prenderam três criminosos, apreendendo três fuzis, na Rua Nove, também no Complexo da Penha.

Os marginais ainda tentaram fugir, pulando diversas lajes, porém não conseguiram escapar do cerco dos policiais. Também foram apreendidos dez tabletes de maconha e quatro sacos com pasta base de cocaína.

O material foi levado para a Central de Garantias da Cidade da Polícia, no Jacaré. Toda a ação aconteceu sem a ocorrência de um disparo de arma de fogo e sem feridos.

Leia também: Intervenção no RJ: em 5 meses, mortes pela polícia aumentam 38%

Ao todo, durante operação, que faz parte da intervenção federal no Rio, foram apreendidos até o final da tarde, 1.193 pinos de cocaína; 554 quilos e 3.935 trouxinhas de maconha; 17 quilos de haxixe;  3.973 papelotes de crack; 225 frascos de lança-perfume e material para embalar droga, além de grande quantidade de munições e oito carregadores para armas de diversos calibres.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.