PM é preso acusado de matar Ryan Teixeira do Nascimento, de 16 anos, por motivo fútil, enquanto o adolescente brincava perto de sua casa
Reprodução/Facebook
PM é preso acusado de matar Ryan Teixeira do Nascimento, de 16 anos, por motivo fútil, enquanto o adolescente brincava perto de sua casa

Pedro Henrique Machado de Sá, cabo da Polícia Militar do Rio de Janeiro, foi preso nesta quarta-feira (18) sob a acusação de atirar e matar o adolescente Ryan Teixeira do Nascimento, de 16 anos. Detido menos de 24 horas após o crime, o PM é preso em flagrante pela Delegacia de Homicídios da capital carioca.

Leia também: Cinco suspeitos morrem em operação da PM no Morro do Alemão neste domingo

De acordo com investigadores da Polícia Civil, Machado de Sá, que estava fora de seu horário de serviço, disparou contra o adolescente por volta das 22h de terça-feira (17), quando o garoto brincava com dois amigos no telhado de uma clínica que fica em frente à casa do PM, em Magalhães Bastos, na zona oeste da cidade. Conforme informações, ele ficou incomodado com o barulho dos garotos e disparou contra eles. O PM é preso , ainda, pelo motivo fútil do disparo.

“O homicídio, portanto, se deu por motivo fútil, visto que o PM teria se aborrecido com o barulho feito pelas vítimas”, diz a nota da Polícia Civil. 

Ryan do Nascimento brincava com seus amigos na rua quando eles decidiram escalar o teto de uma clínica próxima à casa do policial. Pedro Henrique de Sá foi acusado de homicídio e dupla tentativa de homicídio.

Ryan era estudante do primeiro ano do ensino médio, tinha a ambição de se tornar jogador de futebol profissional e estava em período de férias na casa da mãe. O corpo do jovem foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) e o pai do adolescente foi ao local para o reconhecimento.

Você viu?

Leia também: Cirurgião conhecido com 'Doutor Bumbum' está foragido após morte de paciente

Problemático e violento, PM é preso

O policial militar Pedro Henrique Machado de Sá , que há 12 anos trabalha na PM,  prestou depoimento na Divisão de Homicídios da Barra da Tijuca – quando preferiu manter-se em silêncio ante os questionamentos dos investigadores - e depois foi conduzido para fazer exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal. Ele ficará em uma unidade prisional da Polícia Militar.

A vizinhança do PM relatou outros casos violentos em que ele estaria envolvido. Não teria sido esta a primeira vez que ele disparou sua arma por irritação contra o barulho, e, em outra oportunidade, ele teria agredido um deficiente físico. Na noite de terça (18), ele teria disparado ao menos três vezes.

A prisão do policial militar foi em flagrante após perícia feita por agentes da Delegacia de Homicídios. A Polícia Civil afirmou ter “farta prova testemunhal, tendo sido ouvidas cinco pessoas que apontaram, de forma uníssona, o policial militar como autor do crime”. O PM é preso preventivamente e, assim, não deve ser solto antes de seu julgamento.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Funcionária do Ministério dos Direitos Humanos é vítima de feminicídio no DF

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários