Tamanho do texto

Números se referem apenas aos casos que geraram denúncias policiais; número real deve ser maior, já que a subnotificação é comum em estupro

É possível adotar políticas de prevenção do estupro, como discussões sobre gênero nas escolas – ideia rechaçada entre os setores mais conservadores da sociedade e do Congresso
shutterstock
É possível adotar políticas de prevenção do estupro, como discussões sobre gênero nas escolas – ideia rechaçada entre os setores mais conservadores da sociedade e do Congresso

As notificações de estupro no Distrito Federal aumentaram 32,4% em 2017 em relação ao ano anterior. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (8) pela Secretaria da Segurança Pública de da Paz Social do DF.

Leia também: Casos de feminicídio no Rio de Janeiro crescem 62% em 2017

Foram registrados 883 casos de estupro no ano passado, contra 667 ocorrências em 2016. Cabe ressaltar que os números se referem apenas aos estupros que geraram denúncias policiais; o número real, portanto, certamente é maior, já que a subnotificação é comum neste tipo de crime.

Ainda de acordo com a secretaria, em mais da metade dos casos – 59% - havia vínculo entre agressor e vítima. Em 39% das ocasiões, o crime se deu na residência de uma das partes. Previsivelmente, meninas e mulheres constituem a maior parte das vítimas (quase 90%). Dos 883 casos, ainda, 543 tiveram como vítimas pessoas vulneráveis , como crianças e adolescentes.

Na análise de Edval Novaes, secretário da Segurança Pública e da Paz Social do DF, o aumento de casos tem relação com campanhas do governo contra a subnotificação.

O secretário reafirmou a importância da denúncia, pois “o primeiro passo é o registro ser feito na delegacia, para que a polícia possa atuar e, consequentemente, a pessoa ser julgada e, eventualmente, presa”.

Leia também: Devem existir limites para a arte? Tema da redação da Fuvest relembra Queermuseu

Novaes admitiu que o combate a esse tipo de crime é difícil, uma vez que envolve diferentes setores, como educação e assistência social, e por geralmente ocorrer em casa e entre pessoas conhecidas.

Cleide Lemos, integrante do Fórum de Mulheres do DF, disse que esse tipo de crime persiste “porque a cultura não está sendo alterada”. Ela lembra que o estupro é uma violência estrutural , consequência machismo na sociedade brasileira: “está ligado a uma forma de ver o mundo e de encarar as mulheres como objetos e patrimônio”, alertou.

Cleide, que é consultora legislativa do Senado Federal, disse que é possível adotar políticas públicas de prevenção do estupro, como discussões sobre gênero nas escolas – ideia rechaçada entre os setores mais conservadores da sociedade e do Congresso -, melhoria na iluminação das cidades e ocupação dos espaços públicos. Para Cleide Lemos, “algumas questões de urbanização podem contribuir para garantir um ambiente de mais segurança para as mulheres”.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Devem existir limites para a arte? Tema da redação da Fuvest relembra Queermuseu

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.