Professora que morreu em ato heroico em Janaúba havia perdido um filho afogado

Helley Abreu Batista salvou crianças do fogo na última quinta-feira, antes de morrer com 90% do corpo carbonizado; ela foi sepultada nesta sexta-feira
Foto: Reprodução/Facebook
Helley Abreu Batista acabou morta 11 horas depois da tragédia; hoje, ela é considerada uma heroína

Faltavam apenas dez dias para que Helley Abreu Batista pudesse comemorar o seu merecido Dia dos Professores. Porém, na última quinta-feira (5), ela foi uma das vítimas fatais da tragédia que causou a morte de pelo menos dez pessoas em uma creche de Minas Gerais .

Leia também: Segurança responsável por incêndio em creche sofria de depressão e acabou morto

Helley Abreu Batista , de 43 anos, estava dentro da creche Gente Inocente quando o vigia Damião Soares dos Santos invadiu o local incendiou o próprio corpo e incendiou crianças. Ela lutou contra o autor do ataque para salvar seus alunos, mas acabou com 90% do corpo queimado.

"A conduta dela foi heroica, ela mostrou que estava ali realmente pra proteger todas aquelas crianças", disse o delegado Bruno Fernandes Barbosa.

Helley acabou morta 11 horas depois da tragédia. Hoje, ela é considerada uma heroína, mas sempre foi dada como guerreira.

Ao G1 , Eliane Faria, pedagoga que trabalhou como supervisora em uma escola onde a Helley lecionou, afirmou que ela sempre foi muito dedicada à profissão. "Ela era muito cativante, alegre e conseguia envolver cada aluno com seu olhar peculiar. Ser professor é ser Helley Abreu", concluiu.

A mãe da professora contou ao jornal mineiro O Tempo , como Helley nunca demonstrou medo e não foi uma surpresa a professora ter colocado a salvação das crianças como prioridade nos seus últimos minutos de consciência.

"Toda vida ela foi assim, uma mulher que não tem medo de nada. Ela enfrenta qualquer parada. É da natureza dela”, afirmou a mãe Valda Terezinha de Abreu, de 66 anos.

Foto: REPRODUÇÃO/WHATSAPP
Nas redes sociais, fotos mostram pais resgatando suas crianças na saída da creche em Janaúba

“Ela foi uma heroína de ter salvado essas crianças. Ela estava queimada e insistia em tirar as crianças. Acho que ela salvou a maioria. É a força que Deus deu para ela, de ter essa coragem. Só Deus mesmo, sabe. Eu nem sei", comentou.

Filho afogado

Helley era casada e mãe de três filhos: um de 13, outro de 11 anos de idade e um de bebê de apenas um ano.

Leia também: Dada como morta em tragédia em Janaúba, menina de 4 anos está viva

Ela era apaixonada por crianças, mas o terror na creche remete a uma tragédia pessoal de Helley. Isso porque, há 12 anos, um filho recém nascido da professora morreu afogado em uma piscina.

Na época, a professora enfrentou a dor da perda na sala de aula, se apegando ainda mais à figura do aluno.

De acordo com a Prefeitura de Janaúba , Helley era contratada pelo município desde 2016 e, neste ano, começou a trabalhar na creche onde ocorreu a tragédia.

O corpo de Helley Abreu Batista foi acompanhado por uma multidão nesta sexta-feira, no velório em Janaúba. Ela foi enterrada no Cemitério São Lucas, onde as crianças Ana Clara Ferreira Silva, Juan Miguel Soares Silva, Luiz Davi Carlos Rodrigues e de Juan Pablo Cruz dos Santos também foram sepultados. A tragédia deixou 10 mortos

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2017-10-07/professora-helley-abreu-batista.html