A audiência de custódia para decidir se Diego Ferreira de Novais, preso duas vezes em menos de uma semana por tentativa de estupro, continuará detido ou será liberado novamente ocorrerá ainda neste domingo (3) no plantão judiciário do Fórum criminal da Barra Funda, na zona oeste de São Paulo.

Leia também: Entidade repudia 'ataque covarde' a juiz que soltou acusado de estupro em ônibus

Diego Ferreira de Novais, acusado por estupro duas vezes em menos de uma semana terá nova audiência de custódio neste domingo (3)
Divulgação Polícia Civil
Diego Ferreira de Novais, acusado por estupro duas vezes em menos de uma semana terá nova audiência de custódio neste domingo (3)


O ajudante geral, de 27 anos, foi preso pela segunda vez no sábado (2) após nova tentativa de estupro dentro de um ônibus na região da Paulista. Segundo a Polícia Militar, ele não resistiu à prisão e afirmou na delegacia em que foi detido (78º Distrito Polícia dos Jardins) que tem problemas psicológicos.

A vítima, que estava sentada no banco de um ônibus, foi surpreendida pelo agressor que encostou o órgão sexual em seu braço. Ao perceber a situação e tentar fugir, foi impedida pelo agressor. Ao gritar, a vítima foi ajudada por outros passageiros que estavam no coletivo, que o trancaram dentro do ônibus e acionaram a Polícia Militar .

Você viu?

Em depoimento informal ao delegado Rogério de Camargo Nader do 78º DP , Diego Ferreira de Novais, afirmou sofrer de distúrbios psicológicos em decorrência de um acidente de carro que o deixou por dois meses internados, sendo duas semanas em coma. “Ele diz que é uma vontade diferente, compulsiva, que não consegue controlar. Acha que tem relação com o acidente", disse no sábado (2) o delegado Nader.

Leia também: Mega-Sena acumula e prêmio pode chegar a R$ 77 milhões na quarta-feira

Na audiência deste domingo o agressor pode ter três sentenças: ser liberado, caso o magistrado entenda que não houve estupro e que ele não oferece risco à sociedade, pode permanecer preso ou ser encaminhado para a realização de exames psiquiátricos para identificar a necessidade, ou não, de tratamento especializado.

Pela repercussão do caso ao longo da semana passada o Ministério Público (MP) informou que irá se posicionar sobre os fatos, sugerindo ao juiz o que considera melhor e legal, porém a decisão final será do magistrado.

Outros casos

Com o novo caso, Novais acumula 17 acusações de estupro e assédio sexual, sendo que o ocorrido na semana passada, ele ejaculou no pescoço de uma passageira. Mesmo com o seu histórico de violência e ataque contra mulheres, foi considerada incapaz de cometer crime mais grave pelo juiz José Eugênio do Amaral Souza Neto. Em sua decisão, que gerou grande repercussão e revolta das redes sociais, Neto afirmou que a vítima não sofreu constrangimento, por isso ele poderia ser solto e responder ao 16º inquérito em liberdade. “não houve constrangimento tampouco violência ou grave ameaça, pois a vítima estava sentada em um banco de ônibus, quando foi surpreendida pela ejaculação do indiciado".

Leia também: Homem que ejaculou em mulher e foi solto é preso novamente após novo assédio

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários