Tamanho do texto

De acordo com o MP, os atos de corrupção ocorriam no posto de vistoria do departamento em Magé; ao todo, 24 pessoas foram denunciadas após a ação

Operação do Ministério Público no Detran de Magé (RJ) contou com apoio da Corregedoria da Polícia Civil
Reprodução/Google Maps
Operação do Ministério Público no Detran de Magé (RJ) contou com apoio da Corregedoria da Polícia Civil

Três mandados de prisão preventiva por fraudes em um posto de vistoria do Detran em Magé, na Baixada Fluminense, foram cumpridos nesta quinta-feira (31) pelo MP (Ministério Público) do Rio de Janeiro. A ação contou com parceria da Corregedoria da Polícia Civil. Ao todo, 24 pessoas foram denunciadas por atos de corrupção.

Leia também: Por determinação da Justiça, tarifa de ônibus municipal do RJ deve cair

De acordo com o Ministério Público , um dos presos é o ex-secretário municipal de Habitação e Urbanismo da Prefeitura de Magé, André Vinicius Gomes da Silva, que tinha na garagem de casa um carro BMW avaliado em R$ 200 mil. A operação nomeada Asfalto Sujo II, cumpre 45 mandados de busca e apreensão, incluindo buscas na prefeitura de Magé e no posto do Detran.

As medidas foram deferidas pelo juiz Felipe Carvalho Gonçalves da Silva, da Vara Criminal de Magé. Os acusados foram denunciados pelos crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva e inserção de dados falsos em sistema público informatizado.

O grupo atuou entre abril de 2013 e outubro de 2014. Entre as irregularidades cometidas, estava a aprovação de carros blindados e de automóveis que não foram levados à unidade. Três pessoas foram presas hoje, por ordem da Vara Criminal de Magé. Duas delas chefiaram o posto e um terceiro era ligado à prefeitura.

Leia também: Ex-presidente do Detro se entrega à polícia no Rio de Janeiro

Entre os alvos dos mandados de prisão está o ex-secretário municipal de Habitação e Urbanismo de Magé André Vinicius Gomes da Silva, apontado pela denúncia como um dos líderes do esquema, por nomear pessoas de confiança e receber pela arrecadação das atividades ilícitas. Outro alvo é o ex-secretário de Governo e ex-secretário municipal Paulo Cesar Batista Vaz, acusado de participar das atividades.

Durante as investigações, Paulo Cesar era apontado como braço direito do então prefeito Nestor Vidal. Paulo exerceu a chefia do posto de vistoria após a saída do outro denunciado Alexandre Bento Rangel Pinto do cargo, terceiro acusado a ser preso. Alguns dos funcionários controlados por eles eram parentes e pessoas de confiança dos envolvidos.

O que diz o Detran

O Detran informou, em nota, que a ação de hoje teve por base investigação da Corregedoria do Detran, que desbaratou quadrilha que atuava no posto de vistoria de Magé , na Baixada Fluminense, onde regularizavam veículos ilegalmente. De acordo com o departamento, os dois ex-chefes eram funcionários terceirizados e não trabalham mais para o órgão.

Leia também: Polícia prende o homem de confiança do traficante Fernandinho Beira-Mar

“O esquema consistia em cobrar propina para aprovar a vistoria daqueles carros. Caso seja constatado o envolvimento de algum funcionário ainda nos quadros do departamento, o Detran tomará as medidas administrativas cabíveis. O Detran deixa claro que repudia veementemente qualquer prática ilícita e tem agido de forma intensa para coibir irregularidades em seus postos, atuando junto com a Polícia Civil e o Ministério Público", diz a nota. A prefeitura de Magé informou que a atual gestão, apoia as investigações e se coloca à disposição das autoridades para qualquer esclarecimento.


* Com informações da Agência Brasil