Tamanho do texto

Ex-médico está internado deste a última segunda-feira (7) no hospital Albert Einstein; ele foi condenado a 181 anos de prisão por 48 crimes de estupro

Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros de 37 de suas pacientes, cumpre prisão domiciliar
Divulgação
Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros de 37 de suas pacientes, cumpre prisão domiciliar

O ex-médico Roger Abdelmassih deve receber alta ainda nesta segunda-feira (14) e continuar o tratamento contra uma infecção urinária em casa. Ele está internado desde o último dia 7 no Hospital Albert Einstein, na zona sul de São Paulo.

Segundo o advogado de Roger Abdelmassih , Antônio Celso Fraga, a defesa conseguiu no domingo (13) revogar a decisão judicial que determinava o retorno de seu cliente à Penitenciária do Tremembé, onde receberia atendimento no centro médico.

O ex-médico, condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros  em 37 pacientes, cumpre desde julho prisão em regime domiciliar. Mas, na última sexta-feira (11), a juíza Sueli Zeraik Armani, da 1ª Vara de Execuções Criminais, considerou que o benefício não poderia ser mantido.

Tornozeleiras

A magistrada tomou por base o fato de o governo do estado de São Paulo ter rompido o contrato com a empresa Synergye, fornecedora de tornozeleiras . O uso das tornozeleiras eletrônicas, conforme justificou, foi “a condição estabelecida para conceder ao sentenciado a manutenção da prisão domiciliar”.

A determinação, no entanto, foi derrubada no domingo pelo desembargador Ronaldo Sérgio Moreira da Silva, ao acatar o pedido de hábeas corpus impetrado pelo advogado Antônio Celso Fraga. “O desembargador entendeu que ele [Abdelmassih] não poderia ser penalizado pela descontinuidade de um serviço essencial”, afirmou Fraga, argumentando ainda que tal parecer está respaldado por uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

Leia também: Justiça de Taubaté concede prisão domiciliar a Abdelmassih

De acordo com o advogado, a própria justiça reconhece que, em razão da gravidade do quadro de saúde de seu cliente, ele não poderia ser tratado no hospital penitenciário. E, pela própria fragilidade em que se encontra, “não oferece nenhum risco de vir a empreender fuga”.

Procurado pela Agência Brasil, o Hospital Albert Einstein não informou detalhes sobre a saúde de Abdelmassih, nem se estaria para receber alta. Confirmou apenas que ele continuava internado, pelo menos até as 14h10 desta segunda-feira.

Crime

Em 2010, o ex-medico havia sido condenado a 278 anos de prisão devido aos estupros comprovados por diversas pacientes, que ocorreram entre 1995 e 2008, em seu consultório, onde ele atuava como especialista em reprodução in vitro.

Leia também: Prefeitura cearense é condenada por causa de acidente fatal em bebedouro

Somente em 2009, Roger Abdelmassih teve seu registro profissional cassado. Sendo assim, ele fugiu, em 2011, com sua esposa, enquanto gozava de habeas corpus concedido pelo então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes. Apenas em 2014 ele foi capturado, no Paraguai, e está preso até hoje.

* Com informações da Agência Brasil

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.