Tamanho do texto

Nos últimos três meses, 65 armas foram retiradas das mãos de caçadores pelos Policiais do Segundo Batalhão de Apiaí; o combate não vai cessar

Na tarde desta quinta-feira (27), uma operação conjunta da Polícia Militar Ambiental, Polícia Militar e a Polícia Civil do Estado de São Paulo resultou na apreensão de sete armas, armadilhas e também no resgate de dois cães utilizados para a prática de caça, em um sítio, no interior do Estado. 

Leia também: Polícia Militar Ambiental fecha cativeiro e solta macacos em São Paulo

Polícia Militar Ambiental apreendeu armas e resgatou cães utilizados para caçar em São Paulo
Divulgação/Polícia Militar Ambiental
Polícia Militar Ambiental apreendeu armas e resgatou cães utilizados para caçar em São Paulo

Logo que a Polícia Militar Ambiental chegou ao sítio Barra Grande, os PMs avistaram dois cães da raça americano amarrados e em condições de possível maus tratos. A situação alertou os Policiais já que a raça é conhecida por ser utilizada em caçadas.

"Durante a tarde, a gente acabou prendendo um suspeito na prática da caça. Ele estava caçando com uma espingarda. Apresentamos ele na Delegacia de Apiaí e fomos fazer um lanche. Foi quando recebemos essa denúncia de que existia um sítio onde as pessoas se reuninam para caçar", afirmou o Sargento Ribeiro em entrevista ao Portal iG.

No sítio, os Policiais começaram a fazer buscas e encontraram trilhas que iam para o meio da mata. "A denúncia era que ali várias pessoas se reuniam para caça esportiva. Foi por isso que a gente insistiu na missão. Chegamos ali por volta das 17h e só saímos bem tarde da noite. Andamos no meio da mata por 1h30 até que encontramos uma armadilha e um galpão onde havia mais armadilhas e alimentos para atrair pequenos animais da fauna silvestre", disse o Sargento.  A região é conhecida por ter muita capivara, pacas, cateto e pássaros.

No início da ocorrência, o suspeito disse que não havia armas no local e que não praticava caça na região, mas depois que os PMs encontraram as espingardas ele tentou alegar que o material era do pai que já tinha morrido e acabou deixando elas na casa.  

"O normal é eles negarem que são caçadores, mas ele não conseguiu negar nada. Tentou falar que a armadilha era para ver que tipo de passarinho tinha na região. Mas as armas estavam todas bem lubrificadas e em bom estado. Isso prova o uso recente. Quando a gente foi retirar os cães do canil, o dono do sítio mostrou um certo nervosismo. Então, a gente sabia que tinha coisa errada ali. Percebemos que tinha terra fofa e começamos a cavar e logo achamos mais quatro armas enterradas dentro de um cano de PVC", alegou o PM.

Leia também: Polícia Militar Ambiental liberta onça parda na natureza

Os cães estavam desnutridos e desidratados; os animais foram recolhidos e encaminhados para o canil
Divulgação/Polícia Militar Ambiental
Os cães estavam desnutridos e desidratados; os animais foram recolhidos e encaminhados para o canil

Diante dos fatos, o caçador foi detido e indiciado por posse ilegal de arma de fogo, por caçar e por maus tratos a animais. Ele foram encaminhado para Delegacia da Polícia Civil de Apiaí, mas pode responder em liberdade.

O Sargento Ribeiro faz parte do 2º Batalhão de Apiaí, da 6ª Companhia, do 1º Batalhão de Polícia Ambiental. A equipe tem realizado um trabalho de muito destaque, só nos últimos três meses foram 65 armas retiradas das mãos de caçadores. Nesta quinta-feira, os PMs Cabo Henrique, Soldado Teles e Soldado W. Oliveira também estiveram na operação em Itapirapuã Paulista.

Confira todo o material apreendido pela Polícia Militar Ambiental no sítio em Itapirapuã Paulista : uma espingarda calibre .28, sem marca e numeração aparente; um espingarda calibre .36, sem marca e numeração aparente; duas espingarda calibre .32, sem marca e numeração aparente; uma espingarda de pressão alterada para o calibre .22; um revólver calibre .22, sem marca e numeração aparente; uma arma de fogo artesanal; 15 cartuchos calibre .36 deflagrados; seis cartuchos calibre .36 intactos; nove cartuchos calibre .32 intactos; 12 cartuchos calibre .32 deflagrados; cinco cartuchos calibre .28 deflagrados; dois cartuchos calibre .28 intactos; dois cachorros da raça americano; duas armadilhas para captura de pequenos animais; Os cães foram medicados por uma veterinária e encaminhados para o canil de Apiaí. 

Assista ao momento que os Policias acham as armas escondidas:


Leia também: Polícia Ambiental apreende balões e veículos usados em ação criminosa

Projeto de Lei

Um projeto de lei de 2003 quer tornar mais rígida a legislação que trata do tráfico de animais silvestres no Brasil está pronto para ser votado na Câmara dos Deputados. O PL 347/2003 foi proposto no final da Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou o tráfico de animais e plantas silvestres durante novembro e dezembro de 2002 e janeiro de 2003.

O Projeto de Lei já está entre os que podem ser votados pelo plenário da Câmara, dependendo, portanto, de o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) determinar quando isso acontecerá. O PL faz algumas alterações importantes na Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/1998). 

Veja imagens da operação:


    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.