Tamanho do texto

Abdelmassih retornou à Penitenciária de Tremembé (SP) na semana passada, nove dias depois de conseguir autorização para cumprir pena em casa; veja

Roger Abdelmassih, de 74 anos, recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para conseguir prisão domiciliar
Divulgação Polícia Federal
Roger Abdelmassih, de 74 anos, recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para conseguir prisão domiciliar

O ex-médico Roger Abdelmassih, de 74 anos, recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), nesta segunda-feira (3), para voltar a cumprir prisão domiciliar. O habeas corpus deverá ser julgado pela presidente do tribunal, ministra Laurita Vaz.

Na semana passada, por determinação da segunda instância da Justiça, que acolheu o recurso do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP), Roger Abdelmassih retornou à Penitenciária de Tremembé, em São Paulo, nove dias depois de conseguir autorização para cumprir pena em casa.

A decisão sobre a prisão domiciliar foi derrubada pelo desembargador José Raul Gavião de Almeida, da 6ª Câmara do Direito Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que concedeu a limitar baseando-se no pedido do promotor de Justiça, Luiz Marcelo Negrini de Oliveira Mattos.

No despacho, o desembargador destacou que, apesar de ser atestado que o ex-médico seja “portador de doença coronariana grave com recomendação de tratamento clínico”, isso não o impede de voltar à prisão “porque o sistema prisional conta com hospital”.

Leia também: Justiça de Taubaté concede prisão domiciliar a Roger Abdelmassih

Segundo o magistrado, “há notícias de que médicos internados no presídio relataram que Roger Abdelmassih deixou propositadamente, de medicar-se, a tornar duvidosa a criação de situação ensejadora de seu afastamento do cárcere”.

O histórico

Em 2010, o criminoso havia sido condenado a 278 anos de prisão devido aos estupros comprovados por diversas pacientes, que ocorreram entre 1995 e 2008, em seu consultório, onde ele atuava como especialista em reprodução in vitro.

Somente em 2009, Abdelmassih teve seu registro profissional cassado. Sendo assim, ele fugiu, em 2011, com sua esposa, enquanto gozava de habeas corpus concedido pelo então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes. Apenas em 2014 ele foi capturado, no Paraguai, e está preso até hoje.

O ex-médico foi condenado por diversos crimes de estupro e atentado violento ao pudor, e estava, desde 2014, encarcerado no presídio de Tremembé, localizado no interior de São Paulo.

Leia também: "Acordei com ele em cima de mim", conta vítima de Roger Abdelmassih

No entanto, há uma semana ele cumpria os 181 anos de pena que havia sido condenado em regime de prisão domiciliar. A concessão foi feita pela juíza Sueli Armani, devido ao estado de saúde de Abdelmassih, que se encontra debilitado.

Diante da decisão de suspender o mandado de segurança, o magistrado ressaltou que “o ingresso em regime de prisão domiciliar para preso que tem histórico de evasão só pode ser obtido em hipótese de absoluta necessidade”, decretando, assim, o retorno do Roger Abdelmassih para a cadeia.