Tamanho do texto

Prefeito de São Paulo diz que não vai recuar no combate ao tráfico apesar da pressão que grupos partidarizados oferecem as medidas adotadas na área

O prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) publicou em sua rede social um vídeo onde afirma que não vai recuar em nenhum ponto na sua política de combate ao tráfico de drogas na região da cracolândia. O prefeito também lembrou e enalteceu o sucesso da ação policial no último mês, onde 53 criminosos foram presos.

Leia também: Dependentes químicos se espalham pelo centro de São Paulo após operação policial 

Doria promete não recuar em ação de combate ao tráfico na cracolândia
Rovena Rosa/Agência Brasil - 1.1.17
Doria promete não recuar em ação de combate ao tráfico na cracolândia


"Nós não vamos recuar. Não vamos abandonar nossa ação contra os traficantes, contra os bandidos. Nós prendemos 53, 53 estão na prisão. Tem mais 20 mandados de prisão. E um dos chefes da facção criminosa em São Paulo foi preso numa mansão de luxo", afirmou Doria, sobre operação estadual há dez dias na região da cracolândia.

Leia também: Justiça suspende autorização para avaliação forçada de dependentes

O prefeito ressaltou ainda que qualquer tipo de ação na região conta com forte pressão da sociedade civil, de segmentos ideológicos ou partidarizados que querem intimidar no grito e na força a ação pública, mas que dessa vez isso não irá se repetir. E finalizou dizendo que não se faz política pública “sem firmeza, sem determinação”.

No vídeo, o tucano também pontuou o descaso com que a administração petista sempre tratou o caos em que viviam os dependentes químicos que viviam jogados e quase como "zumbis" pela região central da capital e cravou: "O Estado não pode cruzar os braços, fingir que não vê, que assisti, que não existe o problema. Durante duas décadas, poucas tentativas foram feitas e não funcionaram e houve um recuo.".

Leia também: Polícia faz operação para combater tráfico de drogas na Cracolândia

Doria finalizou dizendo que não deixará de adotar medidas sociais e medicinais para ajudar a recuperar os usuários que vivem na cracolândia e disse: "Poderá, assim que a Justiça permitir, haver a internação. Mas a palavra não é internação e muito menos compulsória, é um internamento. É o oferecer a essas pessoas a chance da vida, e não preservar a chance da morte. Eu quero o bem das pessoas. Temos que salvar essas pessoas para a vida", disse.

Assista ao vídeo e veja também a rua Helvétia tomada de crianças brincando durante a noite:




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.