Governo do Espírito Santo anuncia acordo para volta de PMs ao trabalho

Governo do Estado anunciou a assinatura de um acordo com as associações que representam os policiais para suspender a paralisação dos agentes
Foto: Reprodução/Twitter
Governo está identificando por meio de imagens as mulheres e os parentes que estão participando das manifestações


O governo do Espírito Santo anunciou na noite desta sexta-feira (10) a assinatura de um acordo com as associações que representam os policiais militares do Estado para suspender a paralisação dos agentes e para a retomada das atividades já no sábado (11), a partir das 7h.

LEIA TAMBÉM:  Temer diz que paralisação de policiais no ES é ilegal e pede retorno ao trabalho

“Conversamos com os nossos soldados e pedimos bom senso e que retomem as atividades. São mais de 100 mortes”, disse o secretário estadual de Direitos Humanos, Júlio Cesar Pompeu. O secretário afirmou que não negociou com as esposas dos policiais que bloqueiam os acesos aos batalhões desde a última sexta-feira (3) no Espírito Santo .

De acordo com Júlio, a responsabilidade pela segurança é dos policiais, e não das esposas. “Peço que eles conversem com as esposas e retornem ao trabalho.”

Pelo acordo, segundo o secretário, os militares não sofrerão sanções administrativas, mas o indiciamento de 703 policiais pelo crime de revolta será julgado pela Justiça.

LEIA TAMBÉM: Após dez horas de reunião, PMs e ES não chegam a acordo e paralisação continua

Caos no estado

Desde sábado (4), 121 homicídios já foram registrados na região. Na manhã desta sexta-feira, 703 policiais militares foram indiciados pelo crime de revolta por estarem armados e aquartelados nos batalhões. O presidente Michel Temer enviou também nesta sexta uma nota à imprensa, criticando a greve dos policiais militares no Espírito Santo.

"O presidente tem se informado todos os dias com o governador Paulo Hartung e vai fazer todos os esforços para que o Espírito Santo retorne à normalidade o quanto antes. Agirá da mesma forma sempre que necessário, em todos os locais onde for preciso.  O presidente ressalta que o direito à reivindicação não pode tornar o povo brasileiro refém. O estado de direito não permite esse tipo de comportamento inaceitável", diz a nota.

LEIA TAMBÉM: Ônibus param de circular no ES após sindicalista ser morto a tiros

Interlocutores do governo federal informam que o Planalto está em alerta em relação à possibilidade de que outros movimentos grevistas de policiais militares se espalhem por outros estados brasileiros. Essa preocupação, afirmam, pode levar o presidente a acelerar a indicação do novo ministro da Justiça e Segurança Pública, cujo titular, Alexandre de Moraes, se licenciou após ser indicado para uma vaga no Supremo Tribunal Federal.

*Com informações da Agência Brasil

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2017-02-10/acordo-volta-dos-pms-ao-trabalho.html