Tamanho do texto

Secretaria da Cultura de São Paulo deu cinco dias para as interessadas em organizar o evento explicarem propostas; futuro secretário da pasta, André Sturm garante que indefinições não atrapalharão carnaval na capital paulista

Número de adeptos ao carnaval de rua vem crescendo na capital paulista; edição de 2016 teve público de dois milhões
Divulgação/PMSP
Número de adeptos ao carnaval de rua vem crescendo na capital paulista; edição de 2016 teve público de dois milhões

Faltando pouco mais de dois meses para o Carnaval 2017, a equipe de Fernando Haddad (PT) ainda não definiu quem será a parceira da Prefeitura de São Paulo na organização do carnaval de rua  na capital paulista. Nesta quinta-feira (8), a Secretaria Municipal de Cultura abriu uma contagem de cinco dias úteis para que as quatro empresas interessadas expliquem supostos 'furos' nas propostas já apresentadas.

O pedido de explicações partiu de uma das concorrentes, a Dream Factory, responsável pela organização do carnaval de rua paulistano nos dois últimos anos. Apesar disso, a própria empresa também deverá detalhar parte de sua proposta a pedido da secretaria, que quer mais informações sobre a ideia de promover um seminário durante o evento.

Também participam da concorrência a Liga Independente das Escolas de Samba, responsável pelos desfiles no Sambódromo do Anhembi, e as empresas Organização em Comunicação e Propaganda (OCP) e a SRCOM SP.

LEIA TAMBÉM:  Referência feminina no samba, Dona Ivone Lara recebe Ordem do Mérito Cultural

Entre os pedidos de informações publicados na edição desta quinta-feira do "Diário Oficial da Cidade" estão questões sobre o número de profissionais que as empresas pretendem contratar, o detalhamento dos gastos previstos nas propostas e especificações dos itens que deverão ser utilizados.

As propostas são analisadas por uma comissão formada pelo secretário-adjunto de Cultura, Maurício Dantas, pela diretora de eventos da pasta, Karen Cunha, e pelo coordenador de administração e finanças, Alexandre de Piero.

LEIA TAMBÉM:  ROTA: Algumas instituições ainda funcionam no Brasil

André Sturm

Apesar da indefinição a respeito da empresa que irá organizar um dos principais eventos do calendário paulistano, o futuro secretário da Cultura indicado pelo prefeito eleito João Doria (PSDB), André Sturm, diz acreditar que isso não deve impactar no sucesso do carnaval na cidade.

"Não cabe a mim interferir nesse processo agora. Me perguntaram se era para fazer alguma coisa e eu pedi para continuar [a análise das propostas]", disse Sturm ao iG. "A partir de janeiro vou tomar as devidas providências. Houve problemas na licitação, coisas que acontecem, infelizmente. Mas a secretaria não está vagarosa porque está com preguiça. É um processo que é assim mesmo. Mas acho que não haverá problemas para o evento", diz o futuro secretário.

O carnaval de rua será realizado em 2017 no período de 17 de fevereiro a 5 de março e o público esperado é de cerca de 3 milhões de paulistanos e turistas. Até o momento, 495 blocos já se cadastraram junto à Secretaria de Cultura do município – um número recorde. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.