Tamanho do texto

Uma das vítimas é um homem, duas são mulheres e o quarto corpo encontrado não foi identificado, pois estava totalmente carbonizado

A edificação atingida pelo fogo, além de ser usada como ponto comercial, também servia como moradia para 20 estrangeiros
Reprodução/Twitter
A edificação atingida pelo fogo, além de ser usada como ponto comercial, também servia como moradia para 20 estrangeiros

Pelo menos quatro pessoas morreram na manhã desta quarta-feira (23), em um incêndio que atingiu um cortiço no bairro do Brás, na região central da capital paulista. A ocorrência foi registrada na esquina da avenida Celso Garcia com a rua Bresser.

LEIA TAMBÉM:  Violência, assédio e ameaças contra imigrantes aumentam na Europa, diz agência

De acordo com informações da Globo News, o fogo atingiu um edifício de dois andares que era usado como ponto comercial e como residência. Cerca de 20 bolivianos moravam no local. O Corpo de Bombeiros já atendeu cerca de 22 pessoas, mas procura por mais vítimas. Ao menos seis pessoas ficaram feridas devido ao incêndio .

O fogo teve início por volta das 5h07 desta quarta-feira. Durante o incêndio, o teto do cortiço desabou, agravando a situação e aumentando o fogo. O trabalho de rescaldo começou por volta das 7h30.  Das quatro vítimas fatais, duas foram encontradas durante o trabalho de rescaldo.

Os bombeiros identificaram que uma das vítimas é um homem, duas são mulheres e a quarta e última vítima encontrada não pode ser identificada, pois estava com o corpo totalmente carbonizado.

Segundo vizinhos, a moradia tinha emaranhados de fios elétricos com grande risco de curto-circuito.

Nelson Suguieda, coordenador operacional da Defesa Civil, confirma a suspeita dos vizinhos. De acordo com ele, a ligação elétrica era clandestina, o que aumenta a possibilidade de curto-circuito. A Defesa Civil fará vistoria no imóvel após o trabalho dos Bombeiros, mas, segundo ele, uma parede apresenta risco de desabar. “Só que o maior risco era o desabamento da cobertura, o que já aconteceu”, explica.

Trânsito na região

De acordo com a rádio Sulamérica Trânsito FM , por volta das 7h, várias vias da região do Brás estavam interditadas devido ao incidente registrado na esquina da avenida Celso Garcia com a rua Bresser.

VEJA AINDA:  Ministro do STF nega nova ação do PT e do PCdoB para barrar PEC dos Gastos

Pelo menos 36 linhas de ônibus tiveram o seu caminho desviado para evitar a região e o congestionamento causado pelo incêndio desta quarta-feira. A avenida Celso Garcia foi totalmente bloqueada nos dois sentidos na altura da rua Bresser.

Desabrigados

Nelson relata dificuldade do Serviço Social em cadastrar as famílias que agora estão desabrigadas. “O grande problema é fazer o atendimento a essas pessoas, elas se negam. Provavelmente, pelo fato de serem ilegais, isso pode ser o motivo de elas não estarem se identificando”, disse ele.

A boliviana Zailin Miranda, de 27 anos, e seus dois filhos chegaram ao Brasil há sete meses. Ela conta que pagava aluguel para viver na ocupação e que produzia vestidos para uma empresa boliviana que comercializa no Brás.

E MAIS:  Lorenzoni 'enxuga' propostas em relatório sobre pacote anticorrupção

Emocionada, ela acompanhava a remoção de móveis e objetos que deixou para trás. Zailin conta que não conseguiu levar nem documentos. “Eu tinha dinheiro, mas queimou tudo. Estão tirando tudo para lixo. Agora, eu não sei. Não tenho dinheiro para voltar para a Bolívia”, lamentou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.