Tamanho do texto

Moradores relataram tiroteios e viram, ao menos, três helicópteros no local; quatro policiais que estavam na aeronave durante operação morreram

A Polícia Militar do Rio de Janeiro mantém uma operação por prazo indeterminado na Cidade de Deus, comunidade na zona oeste da cidade. A ação acontece depois da queda de um helicóptero da PM na noite de sábado (19) e a morte de quatro policiais. Moradores da região relataram tiroteios e viram, ao menos, três helicópteros sobrevoando o local na manhã deste domingo (20).

LEIA MAIS: Descarrilamento de trem na Índia deixa ao menos 100 mortos e mais de 150 feridos

Logo após a queda do helicóptero da Polícia Militar, integrantes do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) estiveram na Cidade de Deus para realizar as ações iniciais de apuração das causas do acidente. Representantes do centro de Criminalística da PM e a Delegacia de Homicídios também estiveram no local.

LEIA MAIS: Procuradoria acusa Garotinho de oferecer suborno para não ser preso; defesa nega

De acordo com o jornal "O Dia", a operação tem a participação de policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope), do 31º Batalhão da Polícia Militar (BPM) (Barra da Tijuca), do 18º BPM (Pechincha), militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Cidade de Deus e agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (CORE). Ao jornal, o secretário de Segurança do Estado, Roberto Sá, afirmou que os policiais trabalham em conjunto para capturar traficantes que participaram do tiroteio. 

Ainda não há confirmação do motivo da queda e a perícia vai verificar se houve pane ou se a aeronave foi abatida por disparos de traficantes da região. Em sua página no Facebook, a PM lamentou a morte dos militares e informou que o comando da corporação vai prestar todo o apoio às famílias.

A queda do helicóptero causou a morte do major Rogério Rogério Melo Costa, 36 anos, o capitão Willian de Freitas Schorcht, 37 anos, o subtenente Camilo Barbosa Carvalho, 39 anos, e o terceiro-sargento Rogério Félix Rainha, 39 anos. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal e serão velados no Batalhão de Choque, no centro da cidade, na tarde de hoje, com exceção do capitão Schorcht, que será velado em Resende, no sul fluminense.


* Com informações de Agência Brasil e O Dia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.