Tamanho do texto

De "massa folhada" a "xavasca", documento no site de órgão do Ministério da Saúde lista 678 termos vetados no sistema do Cartão Nacional de Saúde

Ministério da Saúde confirmou autenticidade da lista de termos inválidos; todos já foram usados por pacientes do SUS
Reprodução
Ministério da Saúde confirmou autenticidade da lista de termos inválidos; todos já foram usados por pacientes do SUS

Um documento elaborado pela equipe do Núcleo Técnico do Cartão Nacional de Saúde, órgão ligado ao Ministério da Saúde , está provocando espanto e rendendo piadas na internet.

O guia de 48 páginas disponível no site do Departamento de Informática do SUS traz instruções a profissionais do Sistema Único de Saúde para efetuarem o cadastro de usuários na rede. Até aí tudo certo, mas o documento traz um verdadeiro 'glossário' de zoeiras, com 678 termos "proibidos".

A enorme lista é composta majoritariamente por termos de cunho sexual, como "tesudo", "xereca", "suruba" e "boquete". Ainda nessa seara, aparecem outras palavras e expressões mais virtuosas, como "bueiro onde desce o careca", "cisterna de porra", "capô de fusca", "suga-pinto", "boca vertical" e "largo do bilau".

LEIA TAMBÉM:  Melhor aluno do Enem 2015 e professores dão dicas de estudo para a reta final

O manual foi descoberto por um usuário do Twitter e logo viralizou na internet com o pipocar de centenas de piadas ridicularizando o conteúdo.

Além de palavrões e dos já mencionados termos com apelo sexual, outro fato que chamou a atenção dos usuários das redes sociais foi o repertório gastronômico da lista, que inclui iguarias como "esfiha", "massa folhada", "nugget de peixe", "sonho recheado" e "bife a rolê". Outro fato curioso é a disposição dos termos em ordem alfabética, exceto pela última palavra da lista: "cachorro".

Piada antiga que chegou até mesmo a provocar embaraços ao ex-advogado-geral da União José Eduardo Cardozo durante sessão sobre o impeachment no Senado, o infame "Tomas Turbando" também está vetado aos usuários do SUS.

Você pode acessar o documento, por conta e risco próprio, por meio deste link . O 'glossário' de zoeiras começa na página 28.

LEIA TAMBÉM:  Simulados são alternativa para aluno treinar agilidade a dois dias do Enem

Nada foi inventado

Datado de 2015, quando o Ministério da Saúde estave sob o comando de Arthur Chioro (PT) e de Marcelo Castro (PMDB), o documento foi elaborado pelo Núcleo Técnico do Cartão Nacional de Saúde para orientar profissionais sobre como efetuar cadastros de usuários do SUS mesmo em estabelecimentos de saúde que não possuem internet. A ideia dessa integração é permitir aos sistemas municipais e/ou estaduais "consumirem os dados de usuários do SUS cadastrados na base de dados nacional", conforme explica o DataSUS.

De acordo com os próprios autores do manual, a lista de termos considerados inválidos se baseia no "uso e práticas utilizadas pelos usuários do sistema". Ou seja: todos os 678 termos efetivamente já foram usados anteriormente no cadastro. 

O Ministério da Saúde confirmou a autenticidade do documento, e, em nota, informou alguns termos que "vinham sendo utilizados foram bloqueados" para a "padronização das informações e correto preenchimento" dos dados. Confira a nota abaixo:

O Ministério da Saúde informa que, por meio do Datasus, trabalha constantemente na qualidade dos dados do cadastro dos pacientes do SUS. Para a padronização das informações e correto preenchimento, alguns termos que vinham sendo utilizados foram bloqueados. O documento “Regras de Higienização e Qualificação de Informações do Cadastro Nacional de Usuários do SUS” orienta os gestores responsáveis pelos dados sobre essas mudanças para que os cadastros não sejam invalidados. Cabe destacar que a padronização é um aprimoramento fundamental para a análise de dados e, assim, definição de políticas de saúde mais efetivas.

É importante esclarecer que o Cartão Nacional de Saúde é um sistema de informação com mais de 200 milhões de usuários cadastrados na base nacional, atendidos tanto pelo serviço público, como suplementar e privado. As unidades básicas, especializadas e hospitalar podem realizar o atendimento pelo número do CNS, pelo CPF ou pela identificação de dados pessoais já que a base é integrada com sistemas como: SINASC (Nascidos Vivos), Receita Federal (CPF) e ANS (Saúde Suplementar). Hoje o cidadão tem acesso à plataforma digital móvel (Cartão SUS Digital) que pode ser apresentada no momento do atendimento e, desta forma, acessar seus dados lançados na base nacional.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.