Tamanho do texto

Dois adolescentes e um idoso ficaram feridos em confronto entre um grupo de criminosos e seguranças de Diego São Paio, candidato em São Gonçalo

Agência Brasil

Ataque ocorreu enquanto o candidato a prefeito Diego São Paio fazia campanha em São Gonçalo, no Rio de Janeiro
Reprodução/ Facebook/ Diego São Paio
Ataque ocorreu enquanto o candidato a prefeito Diego São Paio fazia campanha em São Gonçalo, no Rio de Janeiro

Três pessoas foram baleadas enquanto um candidato a prefeito fazia campanha em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, na segunda-feira (5). Dois adolescentes de 14 e 15 anos e um idoso, de 85 anos, foram atingidos no Morro da Coruja.

LEIA MAIS: Crivella lidera corrida eleitoral no Rio, e Pedro Paulo tem a maior rejeição

Os disparos foram feitos durante confronto entre um grupo de indivíduos não identificados e seguranças do candidato Diego São Paio (Rede Sustentabilidade). O ataque ocorreu durante a tarde, na Avenida Gouveia, no bairro Vila Lage e está sendo investigado pela 73ª Delegacia de Polícia.

A corporação sugere que o grupo armado era da própria favela. “Diligências estão em andamento para esclarecer todas as circunstâncias do crime e identificar seus autores”, informou a polícia em nota.

LEIA MAIS: STF nega habeas corpus a ex-policial condenado por morte de Amarildo

A Secretaria Estadual de Saúde não atualizou o estado de saúde dos adolescentes. Eles foram encaminhados ao Hospital Estadual Alberto Torres, onde passaram por cirurgias.

Por conta da violência contra candidatos às eleições municipais, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, esteve na baixada fluminense, também na região metropolitana, há duas semanas, área que concentra ocorrências. Pelo menos 11 pré-candidatos foram assassinados, sendo dois deles no município de Duque Caxias.

Baixada Fluminense

Por causa da violência durante campanhas políticas no Rio de Janeiro, Gilmar Mendes solicitou ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que as mortes sejam investigadas pela Polícia Federal. “É uma situação extremamente grave o que está acontecendo aqui. Há incidentes que podem não ter relação com a questão eleitoral, mas a maioria tem. Até por isso, nós já pedimos, e haverá presença das Forças Armadas [durante as eleições] aqui”, disse, no final de agosto, durante visita à baixada.

Milícias

As mortes de candidatos estão relacionadas a disputas entre grupos paramilitares que atuam na região, afirma o sociólogo José Cláudio Souza Alves, autor do livro Barões ao Extermínio: uma história da violência da Baixada Fluminense. Segundo o pesquisador, que estuda a região há três décadas, as milícias surgiram da convivência entre as polícias e os grupos de extermínio.

“A baixada [fluminense], nos últimos meses, assistiu o assassinato de 15 candidatos a vereador. Desses, pelo menos 13 são ligados a milícias, são milicianos matando milicianos pelo controle das organizações e por conta da disputa eleitoral. Eles também estão disputando a estrutura política”, explicou.

LEIA MAIS: Novo trecho de ciclovia que desabou no Rio é aberto a pedestres e ciclistas

Os grupos paramilitares, segundo José Claúdio, obtém lucro comercializando ilegalmente água, transporte clandestino, terrenos, aterros, gás e o gatonet (sistema clandestino de TV paga e de internet), constrangendo e ameaçando de morte quem mora na região.

Entre os grupos de extermínio com atuação no Rio, o Cavalos Corredores, formado por policiais militares foi responsabilizado pelas mortes de 21 pessoas na Chacina de Vigário Geral, há 23 anos completados semana passada. Somente um dos 51 acusados permanece preso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.