Tamanho do texto

Viaturas da Polícia Militar e equipes do Grupo de Intervenção Rápida fizeram um cordão de isolamento em torno do presídio; familiares dos presos estão contidos próximos da unidade e não há informações sobre reféns ou feridos

Estadão Conteúdo

De acordo com a PM, os presos reclamam da alimentação e das más condições da unidade, que está superlotada
Divulgação
De acordo com a PM, os presos reclamam da alimentação e das más condições da unidade, que está superlotada

Presos rebelados incendiaram colchões na Penitenciária 1 de Potim, nesta sexta-feira (19), em São José dos Campos, interior de São Paulo. Os amotinados estão no pátio da unidade e se negam a voltar para as celas. Não há informações sobre reféns ou pessoas feridas.

LEIA MAIS: Acessos a Rio Branco são fechados em nova série de ataques criminosos no Acre

Viaturas da Polícia Militar e equipes do Grupo de Intervenção Rápida (GIR) fizeram um cordão de isolamento em torno do presídio. Familiares dos presos estão contidos próximos da unidade.

LEIA MAIS: Justiça prorroga prisão de 12 acusados de planejar terrorismo no Brasil

De acordo com a PM, os presos reclamam da alimentação e das más condições da unidade, que está superlotada. O presídio tem capacidade para 844 detentos, mas abriga 1.660. Em março deste ano, os presos da P1 de Potim fizeram uma rebelião pelos mesmos motivos. Na varredura, após o controle da revolta, foram encontrados dois detentos mortos.

LEIA MAIS: Mesmo com tropas federais nas ruas, Acre tem mais uma noite de ataques

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) foi contatada, mas ainda não deu retorno.