Tamanho do texto

Paulo Sergio Ferreira dos Santos mora no Rio há 26 anos e ficou famoso nas redes sociais pelas postagens procurando por pessoas que precisam de ajuda

O vendedor de churrasquinho Paulo Sergio Ferreira dos Santos, que trabalha no bairro Olaria, na zona norte carioca
Arquivo pessoal/ Paulo Sergio
O vendedor de churrasquinho Paulo Sergio Ferreira dos Santos, que trabalha no bairro Olaria, na zona norte carioca

Aos 48 anos de idade, Paulo Sergio Ferreira dos Santos tem um sonho: fazer faculdade de Direito. Mas, enquanto a oportunidade não aparece, o baiano que mora no Rio de Janeiro há 26 anos trabalha vendendo churrasquinho no bairro Olaria, na zona norte da cidade. E desperdício não é uma palavra que faça parte de seu vocabulário. Ele doa o excedente das carnes para famílias carentes da Penha e do Complexo do Alemão.

LEIA MAIS:  "Vivemos na realidade do medo", diz moradora sobre assédio em favela do Rio

Todos os dias Santos faz um post no Facebook procurando por pessoas que estejam passando por dificuldades para que possa ajudá-las, além de mobilizar outras a fazerem o mesmo. "Eu adoro o que faço. Quando vou alimentar alguém, estou me alimentando. Satisfaz o meu ego", afirma.

Santos ganhou as redes sociais com suas postagens. Há um ano, ele contou a história de um gerente de restaurante que, sem cobrar nada, serviu um senhor que estava passando fome. A publicação alcançou 348 mil curtidas e teve mais de 127 mil compartilhamentos. A partir daí, Paulinho Baiano, como é conhecido, decidiu que, "mesmo nos momentos tristes", iria continuar ajudando as pessoas.

Segundo o vendedor, ele doa em média 12 quilos de carne e frango por mês, normalmente acompanhados por arroz, feijão e tempero. Santos ainda guarda latinhas de cerveja e refrigerantes para doar. A entrega é feita nos dias de Natal para que os beneficiados possam vendê-las para fazer uma ceia. 

Santos guarda latinhas de cerveja e refrigerantes para doar; entrega é feita dias antes do Natal para famílias carentes
Arquivo pessoal/ Paulo Sergio
Santos guarda latinhas de cerveja e refrigerantes para doar; entrega é feita dias antes do Natal para famílias carentes

Para evitar desperdício

Uma das pessoas ajudadas por Santos foi a coladeira de bolsas Carine de Oliveira Brandão, de 38 anos. Debilitada por conta de uma síndrome respiratória e sem condições de trabalhar, a moradora do Complexo do Alemão viu a publicação do Paulinho Baiano no Facebook e, após ter uma dúvida inicial, acabou entrando em contato com o churrasqueiro. 

"Achei muito bacana. Depois que entrei em contato com ele, marcamos e em um domingo ele apareceu lá na minha casa", diz Carine, que faz malabarismo para criar as duas netas com o que recebe do programa federal Bolsa Família. "O Paulinho levou carne, arroz, feijão e até uns brinquedos."

Antes de começar a vender churrasco, Santos trabalhou como faxineiro, lavador de vidros de carro, motorista, cobrador de ônibus e vendedor de balas. Montou sua barraca para vender churrasquinho graças a um empréstimo feito por cinco amigos. Em suas postagens, ele explica que as doações são uma forma de retribuir a ajuda que já recebeu. 

"Não gosto de ver as pessoas sofrendo. Não quero que ninguém passe pelo que passei", afirma Santos. "Muitas famílias me procuram pelo WhatsApp, mas, infelizmente, é impossível ajudar todo mundo. Por isso incentivo outras pessoas a também fazerem as doações."