Tamanho do texto

Levantamentos feitos pelo instituto Ibope e a plataforma Dizgoo indicam disputas acirradas pelo segundo turno

Pesquisas divulgadas nesta terça-feira (21) mostram dois candidatos diferentes liderando as eleições para a Prefeitura de São Paulo. O levantamento feito pelo Ibope indicou Celso Russomano (PRB) e Marta Suplicy (PMDB) disputando o segundo turno, enquanto que a plataforma Dizgoo colocou Fernando Haddad (PT) e João Doria (PSDB).

No estudo de tendências produzido pelo Dizgoo, feito entre os dias 13 e 19 de junho com 850 internautas, o atual prefeito teria 35,4% dos votos, seguido por Doria com 18,1%.

Segundo a pesquisa, apesar de ainda ter a preferência do eleitorado, Haddad enfrenta um momento de reprovação da sua gestão. Para 42,7% dos internautas, o governo do petista pode ser considerado ruim ou péssimo, enquanto 41% o avaliam como bom ou ótimo.

Os usuários também disseram quais áreas a próxima gestão deve priorizar. Para 39,6%, educação precisa de maior atenção do prefeito, enquanto 30% escolheram saúde. Transporte Público ficou em terceiro, com 15,3%.

Já a surpresa da pesquisa foi a presença da ex-prefeita Luiza Erundina (PSOL) entre os três primeiros pré-candidatos. Ela foi escolhida por 16,1% dos internautas participantes e está na briga virtual pelo segundo turno.

Em seguida, na ordem, aparecem o vereador Andrea Maratazzo (PSD), o deputado federal Celso Russomanno (PRB), a senadora Marta Suplicy (PMDB), o vereador Ricardo Young (Rede) e o deputado estadual Roberto Tripoli (PV).

Ibope

Já a pesquisa eleitoral divulgada pelo instituto Ibope, o deputado federal Celso Russomano lidera com 26% das intenções de voto. A senadora Marta Suplicy segue em segundo lugar, com 10%. Assim como mostrou o levantamento feito pelo Dizgoo, a deputada Luiza Erundina (PSOL) aparece também em terceiro lugar, com 8%. Já Fernando Haddad e João Doria aparecem atrás da ex-prefeita - o petista teria 7% e o tucano, 6%. 

A maior rejeição de todas, ainda de acordo com o levantamento do Ibope, é de Haddad: 46% não votariam nele de jeito nenhum.

Esta pesquisa foi encomendada pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo (Setcesp) e escutou 602 eleitores entre os dias 16 e 19 de junho. A margem de erro é de 4 pontos porcentuais para mais ou menos.