Tamanho do texto

Promotora solicitou à prefeitura informações sobre o alvará da obra que ocasionou o acidente na última quarta-feira (15)

Havia cerca de 15 pessoas no interior da igreja quando aconteceu o desabamento
Rovena Rosa/Agência Brasil
Havia cerca de 15 pessoas no interior da igreja quando aconteceu o desabamento

O Ministério Público instaurou inquérito civil para apurar as causas do desabamento da Igreja Assembleia de Deus Madureira, na cidade de Diadema, na última quarta-feira (15). O acidente provocou a morte de Vanda Maria Martins, de 54 anos.

A promotora Cecília Maria Denser solicitou à prefeitura informações sobre o alvará da obra que ocasionou o desabamento. A construção abriria uma garagem subterrânea a ser usada pelos frequentadores da igreja. A Defesa Civil também recebeu ofício que questiona um eventual embargo da obra e notícias sobre irregularidades.

Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura de Diadema, a igreja não tinha alvará para a realização da reforma. Uma notificação, de fato, foi entregue à igreja, na segunda-feira (13), determinando a paralisação da obra.

O caso
Segundo os bombeiros e relatos de populares, o culto na igreja Assembleia de Deus Madureira já tinha terminado quando a estrutura desabou. Havia cerca de 15 pessoas no interior da igreja, grande parte socorrida pelos próprios vizinhos.

Os primeiros a serem resgatados pelos bombeiros foram um menino de quatro anos chamado Davi e um rapaz. Na madrugada de quinta-feira (16), às 4h, Ezequiel de 23 anos e Anderson de 44, foram resgatados com graves fraturas.

Vanda Maria Martins, de 54 anos, ficou desaparecida por mais de 20 horas até ser encontrada sem vida. Ela deixou três filhos, um deles cadeirante.